Ni!

Foi publicado este mês um mini-documentário com entrevistas e recortes dos principais momentos do TECNOx 4.0, quarta edição deste encontro latino-americano de desenvolvedores e usuários de tecnologias livres. O encontro ocorreu em Porto Alegre em 2019, organizado pelo CTA da UFRGS, e com o tema Ética, direitos humanos e tecnologias livres.

Vale assistir! Outros conteúdos do evento estão também sendo carregados no canal do TECNOx no Youtube.

.~´

Imagem CC-BY, original em: https://opensciencemooc.eu/

O Open Science MOOC, projeto para criar um conjunto de percursos de aprendizado sobre práticas em Ciência Aberta, acaba de lançar seu primeiro módulo: Open Research Software and Open Source.

O módulo corresponde ao item 5 do currículo planejado, cujo desenvolvimento é colaborativo e aberto à contribuições.

Ni!

.~´

#paracegover O UEADSL - Congresso Nacional Universidade EAD e Software Livre -, de 26 a 30 de novembro, é um evento online, o que significa que você não precisa se deslocar a um local específico para participar do evento. Você vai acompanhar as conferências lendo textos, ouvindo podcasts e/ou assistindo a vídeos. Sua participação, porém, precisa ser mais ativa que isso para ser considerada suficiente, a fim de receber seu certificado de participação. Como assim? Pense: você não estará trocando olhares com o conferencista e nem saberemos que leitura fez, se está achando chato ou se está amando tudo isso, a não ser que você nos conte. Participar deste Congresso, portanto, é mais do que assistir algumas conferências: é dizer o que pensa delas, perguntar, discutir, argumentar, ser um co-autor do grande texto que o evento forma, o qual, no fim das contas, é construído na interação de todos os participantes e autores. PARTICIPE! O UEADSL possui agora três palcos! ANFITEATRO é o espaço de apresentação de trabalhos universitários, o mais antigo palco do UEADSL. FEIRA DE SABERES é o palco das apresentações do Ensino Fundamental e Médio e do EJA. ESQUENTANDO O FICLIVRE é o espaço das Rodas de Conversa entre educadores promovido pelo GT Educação da Associação de Software Livre.org. Educação Aberta e Conhecimento Livre. Se ainda não está cadastrado na Plataforma de Eventos do Grupo Texto Livre, cadastre-se: http://eventos.textolivre.org/cadastro-PlataformaEventos/ Em seguida, inscreva-se-se na edição em andamento. Atalho: http://ueadsl.textolivre.pro.br/inscreve Submissões de propostas para o ESQUENTANDO O FICLIVRE abertas até 22/10/18. Após cadastro na Plataforma e inscrição no evento, acesse o bloco PARTICIPE! para maiores informações: http://ueadsl.textolivre.pro.br Também estão abertas, até 7/10, as inscrições para coordenação de mesa e pareceristas. Apoio: CAED/FALE/UFMG Promoção: Grupo Texto Livre

#paracegover
O UEADSL – Congresso Nacional Universidade EAD e Software Livre -, de 26 a 30 de novembro, é um evento online, o que significa que você não precisa se deslocar a um local específico para participar do evento. Você vai acompanhar as conferências lendo textos, ouvindo podcasts e/ou assistindo a vídeos. Sua participação, porém, precisa ser mais ativa que isso para ser considerada suficiente, a fim de receber seu certificado de participação. Como assim? Pense: você não estará trocando olhares com o conferencista e nem saberemos que leitura fez, se está achando chato ou se está amando tudo isso, a não ser que você nos conte. Participar deste Congresso, portanto, é mais do que assistir algumas conferências: é dizer o que pensa delas, perguntar, discutir, argumentar, ser um co-autor do grande texto que o evento forma, o qual, no fim das contas, é construído na interação de todos os participantes e autores.   PARTICIPE!
O UEADSL possui agora três palcos! ANFITEATRO é o espaço de apresentação de trabalhos universitários, o mais antigo palco do UEADSL. FEIRA DE SABERES é o palco das apresentações do Ensino Fundamental e Médio e do EJA. ESQUENTANDO O FICLIVRE é o espaço das Rodas de Conversa entre educadores promovido pelo GT Educação da Associação de Software Livre.org. Educação Aberta e Conhecimento Livre.
Se ainda não está cadastrado na Plataforma de Eventos do Grupo Texto Livre, cadastre-se: http://eventos.textolivre.org/cadastro-PlataformaEventos/ Em seguida, inscreva-se-se na edição em andamento. Atalho: http://ueadsl.textolivre.pro.br/inscreve Submissões de propostas para o ESQUENTANDO O FICLIVRE abertas até 22/10/18.    Após cadastro  na Plataforma e inscrição no evento, acesse o bloco PARTICIPE! para maiores informações: http://ueadsl.textolivre.pro.br        Também estão abertas, até 7/10, as inscrições para coordenação de mesa e pareceristas.
Apoio: CAED/FALE/UFMG Promoção: Grupo Texto Livre
Marcado com: , , , , , , , , , , , , , , ,

O UEADSL (http://ueadsl.textolivre.pro.br) é o primeiro REA dinâmico do qual temos notícia, um evento criado a ensinar e aprender diferentes processos da vida acadêmica, num conjunto de ações que capacitam a todos os participantes, dos membros das comissões até o público, de forma colaborativa. Alia professores-pareceristas  e estudantes-autores, universitários de graduação e pós-graduação, de diversos estados brasileiros: UFMG, UFVJM, FURG, IFES, UNEB, UNIFAL, UNEB e UNINTA são as universidades participantes neste semestre, com cursos de Humanas, Biológicas e Exatas e temas variados.
A participação no UEADSL é aberta, sem custos e, como o evento é assíncrono, só precisa que você acesse o site, leia os artigos ou assista às conferências convidadas, comentando-os no horário que melhor lhe aprouver. Basta realizar seu cadastro no site para ter permissão para realizar comentários em, pelo menos, 3 apresentações diferentes e, assim, receber seu certificado de participação.
O UEADSL é promovido semestralmente pelo Grupo de Pesquisa, Ensino e extensão Texto Livre: Semiótica e Tecnologia, com o apoio da FALE e do CAED da UFMG.
Participe!
Respeitosamente,
Comissão Organizadora do UEADSL2018.1
Marcado com: , , , , , , , , , ,

Comunidade global envolvendo mais de 30 países clama pelo acesso livre ao hardware científico.

Mais de 100 cientistas, engenheiros, educadores, empreendedores e agentes comunitários de 30 países publicaram um relatório que descreve os passos necessários para facilitar o acesso ao hardware utilizado para fins científicos até 2025 com base em design aberto, desenvolvimento colaborativo e novas técnicas de fabricação.

Global Open Science Hardware Roadmap

O grupo, que se reuniu no CERN, em Genebra, e na Pontifícia Universidade Católica do Chile, em Santiago em 2017, argumenta que muito poucas pessoas tem acesso às ferramentas necessárias para a prática científica, particularmente os pesquisadores em países em desenvolvimento e grupos comunitários que necessitam coletar e analisar dados sobre o seu ambiente. De microscópios à microfluidos e estações de monitoramento de água, eles fazem parte de um movimento crescente de compartilhamento online de projetos abertos os quais qualquer pessoa pode livremente utilizar, modificar e até mesmo comercializar. O grupo responsável por este documento sugere que este enfoque pode reduzir drasticamente os custos de pesquisa ao permitir maior colaboração e formas de aprender de novas maneiras. “Nosso projeto,” afirma um dos autores Dr Luis Felipe R. Murillo do Instituto Ciência, Inovação e Sociedade da França, “é sustentado pelo objetivo compartilhado de criar conhecimento comum através da participação pública direta em ciência e tecnologia. Não se trata de uma crítica apartada, mas de uma forma de engajamento prático”.

Os autores e as autoras do Global Science Hardware Roadmap descrevem os passos que acreditam serem necessários para ajudar a esta comunidade avançar, incluindo maior apoio institucional das universidades e centros de pesquisa, fontes de financiamento e governos que preferem os inventores apliquem patentes sobre suas invenções de hardware. A Dr. Max Liborion, colaboradora do documento, relata em um artigo acadêmico recente as suas tentativas de assegurar que o seu dispositivo de baixo custo para amostragem de contaminação por micro-plásticos seja livremente acessível para as comunidades indígenas do Noroeste do Canadá com as quais trabalha. Muitos outros também defendem que o livre compartilhamento é compatível com a venda de produtos e pode, de fato, criar novas oportunidades para empreendedores. Jorge Appiah, um engenheiro e inovador que fundou o makerspace Kumasi Hive em Ghana, acredita que o livre compartilhamento reduz os custos do empreendedorismo no contexto Africano e viabiliza “a rápida escala de soluções de impacto com a localização das inovações, suas aplicações e avanços incrementais”. Esta abordagem é adotada por mais de quinze startups que estão produzindo hardware aberto e livre para ciência.

O relatório também defende a necessidade de assegurar o controle de qualidade e o cumprimento de padrões, particularmente importante para garantir a reprodutibilidade da pesquisa científica, uma preocupação crescente nos últimos anos. Licenciamento, documentação de alta qualidade e aspectos sociais e éticos da prática científica também são abordados. “As ferramentas científicas não são peças de tecnologia esotéricas e entediantes que não possuem conexão com a nossa vida cotidiana. Quem as utiliza, como elas são utilizadas e os resultados obtidos podem afetar no desenvolvimento de novos medicamentos, respostas à desastres ambientais e para educar a próxima geração de cientistas e tecnologistas: precisamos adotar uma perspectiva mais ampla” afirma Dr. Jenny Molloy da Universidade de Cambridge.

As comunidades que usam e desenvolvem hardware aberto são mais amplas do que se acredita. O documento apresenta projetos acadêmicos tais como “White Rabbit”, uma tecnologia aberta desenvolvida no CERN que tem o trabalho difícil de assegurar precisão de sub nanosegundo nas transferências de dados do acelerador de partículas, LHC e o OpenFlexure Scope, um microscópio criado por impressão 3D que usa uma câmera de baixo custo com Raspberry PI e que recentemente recebeu o “Grand Challenges Research Fund” do Governo do Reino Unido.

Hardware científico aberto é também utilizado pela população em projetos de ciência comunitária: Rede InfoAmazonia é um projeto que trabalha com uma rede de comunidades brasileiras para construir sensores de qualidade de água e enviar alertas de contaminação via SMS, enquanto projetos como EnviroMap e UTBiome mapeiam ecologia microbiana e dados ambientais com comunidades locais em Austin, Texas. Public Lab, uma organização sem fins lucrativos dos Estados Unidos, reuniu cidadãos para mapear o derramamento de óleo no golfo do México (também conhecido pelo nome em Inglês: “Deep Horizon Oil Spill”) em 2010 e continua a trabalhar ao redor do mundo com comunidades locais que sofrem com contaminação industrial usando kits de baixo custo e livre acesso que são aprimorados por voluntários.

Existem esforços para disseminar os benefícios de hardware aberto e livre globalmente. O Centro de Tecnologia Acadêmica do Instituto de Física da UFRGS, por examplo, explora o potencial de Hardware Científico Aberto em atividades de extensão assim como para educação de engenheiros e em ciências. Rafael Pezzi, coordenador do CTA e co-autor do documento, enfatiza que existe um grande potencial para ser explorado no Hardware Científico Aberto desde o ensino médio até o universitário: “pode ser visto como uma plataforma de atividades práticas e colaborativas para alunos de engenharia”. O projeto TReND África tem conduzido oficinas para pesquisadores africanos sobre como construir suas próprias impressoras 3D e seus próprios equipamentos de laboratório por uma fração de até 1% do custo das alternativas comerciais, garantindo controle sobre os instrumentos e os desenhos de pesquisa. A atividade no continente Africano aumentará substancialmente com o primeiro Africa Open Science and Hardware Summit que irá ocorrer em Ghana em 2018. Hardware para ciência aberta é uma ferramenta poderosa para reduzir o hiato entre teoria e prática no ensino médio Africano, mas devemos tomar cuidado com o neocolonialismo gerado pela tecnologia” pondera o co-organizador do evento e autor do documento Thomas Herve Mboa Nkoudou, que é o presidente da Associação para a Promoção de Ciência Aberta no Haiti e África (APSOHA – Association for the Promotion of Open Science in Haiti and Africa).

Ao lançar este chamado em busca de apoio, o grupo planeja continuar a seguir os seus planos de ampliar sua comunidade e o alcance e distribuição de hardware aberto através do Encontro Hardware Científico Aberto (GOSH) em 2018 em Shenzhen, China, declarada como “cidade criativa” de acordo com a UNESCO e que tem sido descrita como o “Silicon Valley” do hardware.

Nota para editores:

Para mais informações contate Shannon Dosemagen, Luis Felipe Murillo, Jenny Molloy e Rafael Peretti Pezzi através do email: roadmap (arroba) openhardware.science

Autora: Marcela Gontijo

Estamos no quarto dia de UEADSL e o principal acontecimento até agora nessa edição foi o lançamento oficial do livro “Memórias de letramentos: vozes do campo”, com organização de Carlos Henrique Silva de Castro e Luiz Henrique Magnani. Castro é membro da equipe do Texto Livre, coordenador do Evidosol/Ciltec-online e formado pelo Poslin/UFMG, o professor da UFVJM foi o primeiro a trazer estudantes de uma licenciatura do campo para o UEADSL. O livro, lançado pela editora da UFVJM, está disponível em PDF, sob licença creative commons, conforme os preceitos da ciência aberta.

Até o momento pudemos perceber que, apesar de uma diminuição do número de visualizações de páginas por visitante (de 8,9 para 7,5), temos uma maior concentração dos visitantes nos trabalhos: menos navegações pelo evento, mas mais envolvimento com os debates e as publicações e também maior interação. É um movimento que temos observado também nas edições anteriores do UEADSL, que sugere que há uma curva crescente de aprendizado dos participantes nos 3 primeiros dias do evento. Veja o gráfico abaixo com mais detalhes dos acessos e interações:

E com o evento chegando para o fim, a votação para as menções honrosas já está aberta. Para participar, basta fazer login e acessar, pelo menu à direita, o link para a votação, que encerra-se sexta, dia 01/12, às 12h. Participe!

reportagem: Marcela Gontijo

Começou ontem o O Congresso Nacional Universidade EAD e Software Livre – UEaDSL e já tivemos muitos acessos! Apesar de registrar comentários do público desde sexta dia 23, somente nesta segunda o evento começou oficialmente , com encerramento previsto para sexta-feira, dia 1º. A 13ª edição do evento online recebeu .

Na última edição, em junho desse ano, tivemos mais 12 mil acessos no portal do evento e a atual edição já conta com mais de 5 mil acessos. Um sucesso! Com cerca de 1500 visitantes até agora, por ser um evento online assíncrono, o UEADSL tem visitantes do Brasil, Angola, Portugal, Estados Unidos, Moçambique, Alemanha Candá e México, o que só contribui para a diversidade do evento. Dentre os termos mais buscados, temos “repertorio linguístico dos adolescentes” e “ueadsl”.

As expectativas para o evento estão altas, pois há muitos trabalhos interessantes este semestre feito por diversos alunos e bolsistas. Quem quiser conhecer mais, pode conferir em nosso site! Amanhã voltamos com mais notícias.

Algumas figuras do evento (obtidas por Matte, 2017, Usando Jetpack/Wordpress):

Dados de novembro até 18h do dia 27.
Dados de novembro até 18h do dia 27.

 

Participação por país.
Participação por país.

 

Marcado com: , , , , , , , , , , , , ,

Abrimos a chamada no Congresso Nacional Universidade Educação e Software Livre (UEADSL)para participação de pesquisadores em formação e professores universitários como debatedores (coordenadores de mesa ou mesários) das propostas do UEADSL pensando que poderia aparecer alguém… São tantos que cada trabalho se vê, praticamente, numa defesa de mestrado, sem a tensão decorrente, mas muito empenho.

Na esteira do trabalho voluntário, sempre presente no Texto Livre, grupo que promove o UEADSL desde 2010, trago aqui a chamada criada pelo Renato, um dos professores que, no meio dos trabalhos para corrigir e acompanhar, ainda achou tempo para essa arte.

Participe! Divulgue!

Marcado com: , , , , , , , , , , , ,

Nesta segunda-feira próxima, o Congresso Nacional Universidade EAD e Software Livre, edição 2017.2, inicia suas atividades. Isto é, inicia oficialmente, porque, na prática, o debate começou há 2 dias, quando começamos a disponibilizar os trabalhos na grade de programação.

Vantagens de ser online e assíncrono, mas também vantagem de ser povoado por pessoas que acreditam na educação, de uma forma bem paulofreiriana de ser. As atividades começaram com uma turma de alunos de uma escola de ensino médio campo cujo professor, Maurício Teixeira Mendes, graduando da UFVJM no curso de Licenciatura em Educação do Campo, participa, por sua vez, também como aluno de uma disciplina ministrada por Carlos Castro, um professor que figura dentre os mais assíduos participantes do evento. Fiz questão dessa frase longa e até confusa: na prática, fazer educação aberta é correr o risco de perder o controle da turma. Não aquele controle do “todos em silêncio” que faz ser mais fácil passar um conhecimento estático, mas o controle dos limites do que ensinamos, pois ao ensinar a aprender com autonomia, ensinamos que os limites não são dados a priori e aquilo que fizermos pode multiplicar-se indefinidamente.

Se perguntarem, portanto, o que eu espero que o UEADSL faça por meus alunos, posso responder: que sejam multiplicadores dessa postura colaborativa, do compromisso com o conhecimento compartilhado e do respeito à liberdade e à diversidade. Que façam ciência aberta e percebam o quanto tudo isso é revigorante, mesmo em tempos de esperanças retraídas.

Agora, não são só alunos quem saem ganhando: nem mesmo se contarmos os alunos dos alunos, como acima, estaremos falando do todo que é o UEADSL. Autores aprendendo a escrever melhor e apresentar-se com maior presença acadêmica, convidados experimentando formas de apresentação que ainda não conheciam, membros das comissões aprendendo a dominar técnicas de trabalho em equipe a distância, gerenciar, usar e até desenvolver softwares para apoiar o evento, professores aprendendo a lidar com a interdisciplinaridade e com ferramentas tecnológicas pouco conhecidas, além de escreverem em conjunto o editorial do evento, e não devemos deixar de elencar as agências e instituições que apoiam o UEADSL, cuja compreensão do escopo do evento é um processo e não uma simples transmissão de informação: todos aprendendo uns com os outros.

Para completar esta reflexão, copio aqui o que disse, ainda há pouco à Desirée Antônio, jornalista do CAED/UFMG, numa entrevista que foi, aliás, o mote deste escrito:

O Texto Livre já produzia REA mesmo antes de saber o que essa sigla significa, desde a produção de tutoriais para uso de software livres na educação (como o LibreOffice e o Freemind) até jogos e repositórios de conteúdos específicos, como os jogos para estudo de crases, vírgulas, gramática aberta online e o Linha do Texto.

Na página do Texto Livre encontramos mais informações no http://textolivre.org/site/recursos-abertos/ e, no caso de softwares por nós desenvolvidos, em http://textolivre.org/site/softwares-do-texto-livre/

O próprio UEADSL é um recurso educacional aberto, talvez o mais completo e complexo dentre aqueles produzidos pelo grupo. Sua estrutura permite que todos os participantes (alunos-autores, professores-pareceristas, pesquisadores-mesários e membros das comissões) possam experienciar o processo de modo tal que, mesmo quem está ali para ensinar, acabe aprendendo coisas novas o tempo todo.  A cada edição, o evento se reinventa, incorporando novas perspectivas e novas opções de acordo com o grupo de pessoas que nele se envolve e, assim, até quem, como eu, está organizando o UEADSL desde 2010, acaba sempre surpreso com resultados inesperados e fascinantes.

O voluntariado também tem seu lugar de destaque, pois, muitas vezes, é um voluntário quem salva o dia. Em 2011, no primeiro semestre, lembro de estar muito atrapalhada por ter encontrado um bug no sistema do UEADSL e não estar conseguindo resolver. Atrapalhada porque isso aconteceu no primeiro dia do evento e podia prejudicar seriamente toda aquela edição.  Sem saber onde procurar ajuda, escrevi para meus alunos, pois na época estava oferecendo uma disciplina de oficina de textos para alunos das mais diferentes unidades da UFMG, inclusive computação. Chamei por voluntários e, mais naturalmente do que eu esperava, um voluntário apareceu. Aluno da computação com experiência profissional na área, o Gabriel bateu na minha porta timidamente, sentou-se em meu lugar e resolveu o problema. E o evento correu como esperado.

É esse espírito colaborativo que torna um REA poderoso, pois reflete, a meu ver, uma compreensão e ação da educação sobre o mundo, que pode ser assim resumida: o conhecimento não é do homem, é da humanidade. Por isso fazemos ciência cidadã (uma ciência situada no mundo), educação aberta (a educação voltada para o ser humano e suas comunidades) e software livre (um software que não é objetivo em si mesmo, mas surge no equilíbrio entre quem faz e quem usa).
E já que falamos em REA, deixo aqui, como despedida, o jornal-tutorial de participação:
Marcado com: , , , , , , , , , ,

Hoje é o último dia das apresentações no chat e participações no fórum do XIV Encontro Virtual de Documentação em Software Livre e XI Congresso Internacional de Linguagem e Tecnologia Online, coordenado pelo professor e pesquisador da Universidade Federal do Vale do Jequitinhonha e Mucuri, Carlos Henrique Silva de Castro.

As apresentações no chat começam às 16h e termina às 22:30:

Os Fóruns ficam abertos o dia todo e podem, inclusive, ser acessados os fóruns dos dias anteriores.

Confira na nossa programação: http://evidosol.textolivre.org/papers/2017/pub/ Participe!

Todo o material – fóruns e registros das apresentações em chat escrito – serão disponibilizados após o evento, além da publicação dos Anais, prevista ainda para junho.

O EVIDOSOL/CILTEC é um evento livre, aberto e gratuito promovido pelo Grupo Texto Livre, do Laboratório SEMIOTEC/FALE/UFMG.

Marcado com: , , , , , , , , , , , , ,