A ideia de que o conhecimento científico, de todos os tipos, deve ser compartilhado abertamente tão cedo quanto praticável no processo de descoberta. —Michael Nielsen
Categoria: Anúncios do grupo

Marcado com: , , , , , , , , , , , , , ,

#paracegover Grupo Texto Livre. Jornal do UEADSL 09/11/2018.  Já fez sua inscrição ou ainda quer participar do Congresso Nacional Universidade EAD e Software Livre – UEaDSL 2018.2? Então fiquem de olho em algumas datas importantes. E se liguem! Pois, faltam menos de vinte dias para o início do evento, que ocorrerá entre 26 e 30 de novembro.  De acordo com a coordenadora do congresso, a professora Ana Cristina Frike Matte, apenas alunos-autores em que os professores estejam na Comissão Científica podem apresentar trabalhos. Nesse caso, os alunos de graduação e pós-graduação serão direcionados para o Anfiteatro. Já os alunos do Ensino Fundamental, Ensino Médio e Educação Jovens e Adultos (EJA) apresentarão na Feira de Saberes. Roda de Conversa A coordenadora do evento reforça que “a submissão de trabalhos para a roda de conversa entre  educadores, Esquentando o FicLivre, termina dia 18 de novembro. Os trabalhos aprovados poderão ser submetidos aos Anais até o dia 20, mas é importante respeitar a formatação para não atrasar a pulicação”, explica Matte.  Por isso, não perca tempo, faça logo sua inscrição!  Matte explica que os participantes devem acompanhar as datas para não se atrasarem com os prazos. Confiram o cronograma:   * Avaliação final pelos pareceristas externos ou pelo professor: até 12 de novembro;  * Submissão do trabalho completo, no caso de turmas cuja avaliação final é feita diretamente pelo professor: 19 de novembro;  * Submissão do trabalho revisado, após avaliação pelos pareceristas externos: 19 de novembro;  * Submissão do trabalho para Anais: até 19 de novembro. Vale destacar que os Anais serão publicados por volta do dia 21 de novembro. Por isso, recomenda-se aos autores enviarem o texto o quanto antes, pois o prazo para correções termina em 20 de novembro.  Participe!  Ainda não está participando do UEaDSL 2018.2 ? Então faça sua inscrição na Plataforma de Eventos do Grupo Texto Livre: http://eventos.textolivre.org/cadastro-PlataformaEventos/ Em seguida, inscreva-se na edição em andamento. EVIDOSOL/CILTEC-Online O Grupo Texto Livre também promove o Congresso Internacional de Linguagem e Tecnologia On-line, de 19 a 21 de novembro próximos. A participação é gratuita e as conferências e trabalhos nesse vasto campo do conhecimento, aludido pelo título do evento, prometem um debate muito animado. Maiores informações: http://evidoso.textolivre.org Todos os participantes devem cadastrar-se na plataforma de eventos e/ou atualizar seus dados de perfil, especialmente minicurrículo, antes de 26/11, quando começa o evento. Promoção: Grupo de Pesquisa, Ensino e Extensão Texto Livre: Semiótica e Tecnologia Apoio: CAED FALE UFMG Texto: Natália Giarola, Edição: Ana Matte, Tuxy: Lucca Fricke DispoPromoção: Grupo de Pesquisa, Ensino e Extensão Texto Livre: Semiótica e Tecnologia Apoio: CAED FALE UFMG Texto: Natália Giarola, Edição: Ana Matte, Tuxy: Lucca Fricke

Marcado com: , , , , , , , , , , , , , , ,

Comunidade global envolvendo mais de 30 países clama pelo acesso livre ao hardware científico.

Mais de 100 cientistas, engenheiros, educadores, empreendedores e agentes comunitários de 30 países publicaram um relatório que descreve os passos necessários para facilitar o acesso ao hardware utilizado para fins científicos até 2025 com base em design aberto, desenvolvimento colaborativo e novas técnicas de fabricação.

Global Open Science Hardware Roadmap

O grupo, que se reuniu no CERN, em Genebra, e na Pontifícia Universidade Católica do Chile, em Santiago em 2017, argumenta que muito poucas pessoas tem acesso às ferramentas necessárias para a prática científica, particularmente os pesquisadores em países em desenvolvimento e grupos comunitários que necessitam coletar e analisar dados sobre o seu ambiente. De microscópios à microfluidos e estações de monitoramento de água, eles fazem parte de um movimento crescente de compartilhamento online de projetos abertos os quais qualquer pessoa pode livremente utilizar, modificar e até mesmo comercializar. O grupo responsável por este documento sugere que este enfoque pode reduzir drasticamente os custos de pesquisa ao permitir maior colaboração e formas de aprender de novas maneiras. “Nosso projeto,” afirma um dos autores Dr Luis Felipe R. Murillo do Instituto Ciência, Inovação e Sociedade da França, “é sustentado pelo objetivo compartilhado de criar conhecimento comum através da participação pública direta em ciência e tecnologia. Não se trata de uma crítica apartada, mas de uma forma de engajamento prático”.

Os autores e as autoras do Global Science Hardware Roadmap descrevem os passos que acreditam serem necessários para ajudar a esta comunidade avançar, incluindo maior apoio institucional das universidades e centros de pesquisa, fontes de financiamento e governos que preferem os inventores apliquem patentes sobre suas invenções de hardware. A Dr. Max Liborion, colaboradora do documento, relata em um artigo acadêmico recente as suas tentativas de assegurar que o seu dispositivo de baixo custo para amostragem de contaminação por micro-plásticos seja livremente acessível para as comunidades indígenas do Noroeste do Canadá com as quais trabalha. Muitos outros também defendem que o livre compartilhamento é compatível com a venda de produtos e pode, de fato, criar novas oportunidades para empreendedores. Jorge Appiah, um engenheiro e inovador que fundou o makerspace Kumasi Hive em Ghana, acredita que o livre compartilhamento reduz os custos do empreendedorismo no contexto Africano e viabiliza “a rápida escala de soluções de impacto com a localização das inovações, suas aplicações e avanços incrementais”. Esta abordagem é adotada por mais de quinze startups que estão produzindo hardware aberto e livre para ciência.

O relatório também defende a necessidade de assegurar o controle de qualidade e o cumprimento de padrões, particularmente importante para garantir a reprodutibilidade da pesquisa científica, uma preocupação crescente nos últimos anos. Licenciamento, documentação de alta qualidade e aspectos sociais e éticos da prática científica também são abordados. “As ferramentas científicas não são peças de tecnologia esotéricas e entediantes que não possuem conexão com a nossa vida cotidiana. Quem as utiliza, como elas são utilizadas e os resultados obtidos podem afetar no desenvolvimento de novos medicamentos, respostas à desastres ambientais e para educar a próxima geração de cientistas e tecnologistas: precisamos adotar uma perspectiva mais ampla” afirma Dr. Jenny Molloy da Universidade de Cambridge.

As comunidades que usam e desenvolvem hardware aberto são mais amplas do que se acredita. O documento apresenta projetos acadêmicos tais como “White Rabbit”, uma tecnologia aberta desenvolvida no CERN que tem o trabalho difícil de assegurar precisão de sub nanosegundo nas transferências de dados do acelerador de partículas, LHC e o OpenFlexure Scope, um microscópio criado por impressão 3D que usa uma câmera de baixo custo com Raspberry PI e que recentemente recebeu o “Grand Challenges Research Fund” do Governo do Reino Unido.

Hardware científico aberto é também utilizado pela população em projetos de ciência comunitária: Rede InfoAmazonia é um projeto que trabalha com uma rede de comunidades brasileiras para construir sensores de qualidade de água e enviar alertas de contaminação via SMS, enquanto projetos como EnviroMap e UTBiome mapeiam ecologia microbiana e dados ambientais com comunidades locais em Austin, Texas. Public Lab, uma organização sem fins lucrativos dos Estados Unidos, reuniu cidadãos para mapear o derramamento de óleo no golfo do México (também conhecido pelo nome em Inglês: “Deep Horizon Oil Spill”) em 2010 e continua a trabalhar ao redor do mundo com comunidades locais que sofrem com contaminação industrial usando kits de baixo custo e livre acesso que são aprimorados por voluntários.

Existem esforços para disseminar os benefícios de hardware aberto e livre globalmente. O Centro de Tecnologia Acadêmica do Instituto de Física da UFRGS, por examplo, explora o potencial de Hardware Científico Aberto em atividades de extensão assim como para educação de engenheiros e em ciências. Rafael Pezzi, coordenador do CTA e co-autor do documento, enfatiza que existe um grande potencial para ser explorado no Hardware Científico Aberto desde o ensino médio até o universitário: “pode ser visto como uma plataforma de atividades práticas e colaborativas para alunos de engenharia”. O projeto TReND África tem conduzido oficinas para pesquisadores africanos sobre como construir suas próprias impressoras 3D e seus próprios equipamentos de laboratório por uma fração de até 1% do custo das alternativas comerciais, garantindo controle sobre os instrumentos e os desenhos de pesquisa. A atividade no continente Africano aumentará substancialmente com o primeiro Africa Open Science and Hardware Summit que irá ocorrer em Ghana em 2018. Hardware para ciência aberta é uma ferramenta poderosa para reduzir o hiato entre teoria e prática no ensino médio Africano, mas devemos tomar cuidado com o neocolonialismo gerado pela tecnologia” pondera o co-organizador do evento e autor do documento Thomas Herve Mboa Nkoudou, que é o presidente da Associação para a Promoção de Ciência Aberta no Haiti e África (APSOHA – Association for the Promotion of Open Science in Haiti and Africa).

Ao lançar este chamado em busca de apoio, o grupo planeja continuar a seguir os seus planos de ampliar sua comunidade e o alcance e distribuição de hardware aberto através do Encontro Hardware Científico Aberto (GOSH) em 2018 em Shenzhen, China, declarada como “cidade criativa” de acordo com a UNESCO e que tem sido descrita como o “Silicon Valley” do hardware.

Nota para editores:

Para mais informações contate Shannon Dosemagen, Luis Felipe Murillo, Jenny Molloy e Rafael Peretti Pezzi através do email: roadmap (arroba) openhardware.science

Imagem de http://esocite2018.cl/

Colegas

Convido a submeterem resumo para o Esocite 2018 – XII Jornadas Latinoamericanas de Estudios Sociales de la Ciencia y la Tecnología, a realizar-se de 18 a 20 de julho, em Santiago do Chile.

Neste evento, estarei coordenando, junto com Carla Alvial Palavicino (NUMIES – UDP, Chile), María Alejandra Tejeda (Universidad Javeriana, Colombia) e Mariano Fressoli (Fundación CENIT, Argentina), a Sessão Temática “Do acesso aberto à ciência aberta: desafios, politicas e práticas no contexto latino-americano”, cuja descrição segue em anexo.

O prazo para envio de resumos é até 10 de março, no site http://esocite2018.cl/

Abs

Sarita Albagli
Ibict
http://www.ppgci.ufrj.br/docentes/sarita-albagli/

Del acceso abierto a la ciencia abierta: desafíos, políticas y prácticas en el contexto latinoamericano

Organizadores
Sarita Albagli, IBCT – UFRJ, Brasil
Carla Alvial Palavicino, NUMIES – UDP, Chile
María Alejandra Tejeda, Universidad Javeriana y STePS – Universidad de Twente, Colombia
Mariano Fressoli, Fundación CENIT, Argentina

La ciencia abierta está cambiando rápidamente la forma de acceder y utilizar el conocimiento científico. La acceso abierto, y la producción abierta y colaborativa permite que los científicos accedan a una cantidad de información que antes no se encontraba disponible: como datos de investigación, proyectos, software científico, diseños de instrumental, evaluaciones, cuadernos de laboratorio, etc.. Sin embargo, la realización de estos beneficios desafía las prácticas convencionales de la producción científica, tales como los esquemas que promueven la comercialización del conocimiento, las formas de evaluación por productividad.

Con respecto a acceso abierto, latinoamérica ha sido pionera en los temas de producción científica con los diferentes repositorios como son RedAlyc, Scielo, Clacso. Además existen experiencias incipientes de ciencia abierta. Sin embargo, estos desarrollos están alejados de las políticas de acceso y producción científica abiertas lideradas hoy por la Unión Europea y OCDE, permitiendo que un camino desarrollado de vea permeado por los requerimientos y miradas externas a nuestros contexto.

Este panel tiene como objetivo comprender de qué manera las experiencias de ciencia abierta pueden enfrentar las tensiones que existen con las prácticas convencionales de producción y comunicación científica. Para ello se explorarán cuestiones como: ¿Cuáles son los distintos significados de apertura de la ciencia? ¿Cómo concilian sus intereses por la apertura con las necesidades de cumplir con esquemas de evaluación e incentivos vigentes? ¿En qué modelos y criterios institucionales y regulatorios de evaluación, incentivo y fomento a la apertura en ciencia podrían inspirarse nuestra región? ¿Cómo se articula el rol del acceso abierto, sus políticas y prácticas, ante las nuevas cuestiones traídas por el movimiento de ciencia abierta y las diferencias que existen entre sur y norte global?

En particular, este panel busca discutir (i) la relación entre ciencia abierta y distintas formas de financiamiento de la investigación, en particular en Latinoamérica (ii) el efecto de la internacionalización de las universidades y la carrera académica, y el inclinación que existe hacia métricas y repositorios internacionales por sobre los latinoamericanos (iii) las lógicas detrás de políticas de ciencia abierta, con respecto a los objetivos de educación, comunicación de la ciencia y política pública que se buscan resolver a través de su implementación, en contraste con las brechas existentes en Latinoamérica en cada una de estas áreas (iv) incorporación de políticas de acceso abierto modelos de medición de impacto de la CTI, en particular en relación a valoración e impacto social de la investigación y (v) las nuevas agendas y desafíos (técnico, institucionales, culturales) del acceso abierto, ante las cuestiones de la ciencia abierta (datos abiertos, preprints, formatos abiertos, licencias abiertas, infraestructuras abiertas, entre otros).

O Congresso Nacional Universidade EAD e Software Livre, que volta e meia vem povoar as páginas do blog da Ciência Aberta, está novamente chegando: do dia 27/11 a 1/12 estaremos debatendo abertamente, além dos temas centrais que o próprio nome do evento evidencia, trabalhos sobre letramento, tecnologiaas na educação, inovação e pesquisa, formação de professores e, como não poderia deixar de ser, ciência aberta.

Este semestre abrimos com antecedência a inscrição de moderadores (coordenadores de mesa), para animar e elevar o nível do debate. Se você estiver interessado em participar, é professor universitário ou estudante de pós-graduação, pode coordenar algumas mesas e, assim, dar uma apimentada na discussão trazendo o tema da ciência e da educação abertas, que, para a maioria dos autores do UEADSL2017.2, é uma total novidade.

Maiores informações podem ser obtidas na reportagem feita pela UFMG (https://ufmg.br/comunicacao/noticias/evento-abre-inscricoes-para-coordenadores-de-mesa) e no site do UEADSL (http://ueadsl.textolivre.pro.br).

Este congresso, um REA fundado sobre a educação libertária e a educação aberta, é uma verdadeira aventura didática, para todos os envolvidos, e é promovido pelo grupo Texto Livre  desde 2010 e conta com o apoio da Faculdade de Letras e do Centro de Educação a Distância, ambos da UFMG.

Marcado com: , , , , , , ,

Como a festa junina do Texto Livre é online, se você quiser pipoca ou quentão, vai ter que preparar; é a única desvantagem, pois o que temos é um festival de eventos online:

O EVIDOSOL/CILTEC-online (Encontro Virtual de Documentação em Software Livre e Congresso Internacional de Linguagem e Tecnologia Online), que aconteceu de 5 a 7 de junho, lança hoje os Anais de 2017, com 90 artigos versando sobre uma variedade de temas, no campo multi e interdisciplinad da linguagem, educação e tecnologia com ênfase nas tecnologias livres e abertas.

O STIS (Seminários Teóricos Interdisciplinares do SEMIOTEC) traz essa semana uma conferência dupla com a Profª Drª Anelise Fonseca Dutra, da UFOP, e o Prof. Ms. Ricardo Madureira Rodrigues, do IFECT-Barbacena, versando sobre os temas educação intercultural, trabalho colaborativo, PLE e ensino de gramática em língua inglesa. O acesso às conferências, que vão acontecer nesta quarta, dia 21, às 19:30, na sala de conferências do STIS, é livre e só é necessária inscrição para os interessados em obter o certificado de participação.

Finalmente, o UEADSL (Congresso Nacional Universidade EAD e Software Livre), que está a pleno vapor. Na semana que antecedeu seu início, já teve mais de 400 visitantes com 1913 visualizações de páginas. Leia também a notícia de lançamento do evento, aqui no blog do grupo de Ciência Aberta.

Mais tarde volto com novas notícias!

Marcado com: , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

A edição do primeiro semestre de 2017.1 doCongresso Nacional Universidade EAD e Software Livre inicia suas atividades nessa segunda, dia 19, com duas conferências convidadas muito especiais, tratando de forma bem diferente a questão da liberdade.

O professor da UFMG e pró-Reitor de Assuntos Estudantis dessa universidade, Tarcísio Mauro Vago,  fala sobre a tríade Universidade, EAD e Software Livre abordando-os pela semelhança que possuem entre si quando tratados como direitos do cidadão. É um vídeo, gravado no final de 2016 para o evento, e traz uma abordagem muito perspicaz e propícia a um bom debate.

O segundo autor convidado é Alexandre Oliva, representante do Brasil na FreeSoftware Foundation Latin America, que nos traz um texto inédito e provocativo, como costuma ser seu estilo, leve e muito informativo. O texto joga com a ideia do dentro e fora da matrix, fazendo referência ao filme homônimo, e foi pensado como tendo sido enunciado pelo personagem Morpheus.

Nesta semana que precede o evento (semana que ainda tem algumas horas para terminar), já recebemos 409 visitantes que visualizaram um total de 1798 páginas, prometendo um ótimo público e, o que é melhor, um debate muito profícuo nos posts dos 41 trabalhos, os quais podem ser conferidos na programação.

O UEADSL é um evento assíncrono (toda a interação acontece por meio de comentários no blog), nacional, semestral, de caráter didático inovador, promovido pelo Grupo Texto Livre, sediado no Laboratório SEMIOTEC da Faculdade de Letras da UFMG.

Marcado com: , , , , , , , , ,

O Encontro Virtual de Documentação em Software Livre e Congresso Nacional de Linguagem e Tecnologia Online começa na próxima segunda-feira. Trata-se de um evento totalmente online, com apresentações síncronas no chat e assíncronas no fórum, totalmente baseado na ciência aberta, com participação livre e gratuita.

O EVIDOSOL/CILTEC-online é promovido anualmente pelo grupo Texto Livre, sediado no Laboratório SEMIOTEC da Faculdade de Letras da UFMG e possui na sua programação, além de comunicações e lançamentos de livros abertos, as seguintes conferências:

 

Learning processes in digital environments

 

Autor(es) Sanna Ruhalahti
Päivi Aarreniemi-Jokipelto
Resumo Interactive environments and mobile applications. Dialogical and collaborative knowledge construction in open learning environments.
Macrotema Educação e Tecnologias

 

Robótica livre educacional

 

Autor(es) Danilo Rodrigues César
Eloir José Rockenbach
Marcos Antonio Rufino do Egito
Resumo Robótica Livre Educacional: panorama, experiências e provocações.
Macrotema Cultura Livre

 

As novas tecnologias na educação do campo: experiências da Licenciatura em Educação do Campo da UFVJM

 

Autor(es) Carlos Henrique Silva de Castro
Diogo Neves Pereira
Luciano Soares Pedroso
Luiz Henrique Magnani
Ofelia Ortega Fraile
Resumo  A mesa traz os projetos de ensino, pesquisa e extensão da Licenciatura em Educação do Campo da UFVJM e as novas tecnologias de informação e comunicação. As experiências em destaque são uma de produção vídeos narrativos; uma de produção de programa de rádio; e uma sobre comunicação comunitária.
Macrotema Educação e Tecnologias

 

Cultura digital e a era da conectividade

 

Autor(es) Cleomar Rocha
Resumo  A palestra aborda aspectos da cultura digital e os fundamentos da conectividade como Zeingeist do contemporâneo.
Macrotema Educação e Tecnologias

 

Gêneros textuais digitais e letramentos

 

Autor(es) Acir Mário Karwoski
Macrotema Linguagem e Tecnologia

 

Leitorado em língua portugesa nos Estados Unidos

 

Autor(es) Luana Reis
Everton Costa
Lia Fernandes
Macrotema Mídia-educação

Participe!

Todos estão convidados a assistir, em nossa sala de conferência virtual, na próxima sexta feira, dia 24.03.2017, às 14h:

LENGALENGA, HAICAIS E OUTRAS ESCRITAS: As práticas da produção de textos de autoria na alfabetização

Conferencista: Profª Mara Mansani

PODCAST PAPO DE PROFESSOR – a voz do professor no processo transformativo

Conferencista: Prof. Damione Damito

Conferência online,via chat, com certificação pela UFMG.

Acesse: http://stis.lingtec.org

Os STIS (Seminários Temáticos Interdisciplinares do Semiotec (UFMG)) são eventos mensais, online, com o objetivo de divulgar pesquisas e fomentar discussões acerca de temas relativos a diferentes áreas ligadas à Educação, tais como descrição linguística, ensino de línguas, formação de professores, dança, estudos semióticos, questões ligadas à fonoaudiologia, multiletramentos, ensino de matemática, inovações pedagógicas, novas tecnologias, entre outros.
Esse programa, sob coordenação da Profª Drª Adelma L.O.S Araújo, é uma das ações do Grupo Texto Livre, coordenado pela Profª Drª Ana Cristina Fricke Matte.
<http://www.textolivre.org/site/>
Gratos pela atenção e participação.

Coordenação Geral do STIS

Marcado com: , , , , ,

As inscrições para o EVIDOSOL/CILTEC-online foram prorrogadas até o dia 30/3. Para maiores informações, leia

No ano passado o evento teve a participação de 858 inscritos (sem contar os acessos sem inscrição, afinal é um evendo aberto), 32 apresentações em chat (7 conferências) e 94 no fórum. Participe!

OBSERVAÇÃO: O EVIDOSOL/CILTEC- está também recebendo propostas de lançamentos de livros no evento, se você tiver interesse, entre em contato com evidosol@textolivre.org.

 

 

Livet på den stora dagen, plocka ett lämpligt bröllop är också mycket viktigt. Lär dig enligt höjden av typen av brudklänning ur brudens brudklänning, både till favoritbröllopet, men visa också brudens ben Sopa Tåg bröllopsklänningar

 

 

 

Marcado com: , , , , , , , , , , , ,