Primeiro dia de UEADSL: foi dada a largada!

reportagem: Marcela Gontijo

Começou ontem o O Congresso Nacional Universidade EAD e Software Livre – UEaDSL e já tivemos muitos acessos! Apesar de registrar comentários do público desde sexta dia 23, somente nesta segunda o evento começou oficialmente , com encerramento previsto para sexta-feira, dia 1º. A 13ª edição do evento online recebeu .

Na última edição, em junho desse ano, tivemos mais 12 mil acessos no portal do evento e a atual edição já conta com mais de 5 mil acessos. Um sucesso! Com cerca de 1500 visitantes até agora, por ser um evento online assíncrono, o UEADSL tem visitantes do Brasil, Angola, Portugal, Estados Unidos, Moçambique, Alemanha Candá e México, o que só contribui para a diversidade do evento. Dentre os termos mais buscados, temos “repertorio linguístico dos adolescentes” e “ueadsl”.

As expectativas para o evento estão altas, pois há muitos trabalhos interessantes este semestre feito por diversos alunos e bolsistas. Quem quiser conhecer mais, pode conferir em nosso site! Amanhã voltamos com mais notícias.

Algumas figuras do evento (obtidas por Matte, 2017, Usando Jetpack/Wordpress):

Dados de novembro até 18h do dia 27.

Dados de novembro até 18h do dia 27.

 

Participação por país.

Participação por país.

 

Marcado com: , , , , , , , , , , , , ,

Começa hoje o UEADSL2017.2

Abrimos a chamada no Congresso Nacional Universidade Educação e Software Livre (UEADSL)para participação de pesquisadores em formação e professores universitários como debatedores (coordenadores de mesa ou mesários) das propostas do UEADSL pensando que poderia aparecer alguém… São tantos que cada trabalho se vê, praticamente, numa defesa de mestrado, sem a tensão decorrente, mas muito empenho.

Na esteira do trabalho voluntário, sempre presente no Texto Livre, grupo que promove o UEADSL desde 2010, trago aqui a chamada criada pelo Renato, um dos professores que, no meio dos trabalhos para corrigir e acompanhar, ainda achou tempo para essa arte.

Participe! Divulgue!

Marcado com: , , , , , , , , , , , ,

REA interativo: começando antes de começar

Nesta segunda-feira próxima, o Congresso Nacional Universidade EAD e Software Livre, edição 2017.2, inicia suas atividades. Isto é, inicia oficialmente, porque, na prática, o debate começou há 2 dias, quando começamos a disponibilizar os trabalhos na grade de programação.

Vantagens de ser online e assíncrono, mas também vantagem de ser povoado por pessoas que acreditam na educação, de uma forma bem paulofreiriana de ser. As atividades começaram com uma turma de alunos de uma escola de ensino médio campo cujo professor, Maurício Teixeira Mendes, graduando da UFVJM no curso de Licenciatura em Educação do Campo, participa, por sua vez, também como aluno de uma disciplina ministrada por Carlos Castro, um professor que figura dentre os mais assíduos participantes do evento. Fiz questão dessa frase longa e até confusa: na prática, fazer educação aberta é correr o risco de perder o controle da turma. Não aquele controle do “todos em silêncio” que faz ser mais fácil passar um conhecimento estático, mas o controle dos limites do que ensinamos, pois ao ensinar a aprender com autonomia, ensinamos que os limites não são dados a priori e aquilo que fizermos pode multiplicar-se indefinidamente.

Se perguntarem, portanto, o que eu espero que o UEADSL faça por meus alunos, posso responder: que sejam multiplicadores dessa postura colaborativa, do compromisso com o conhecimento compartilhado e do respeito à liberdade e à diversidade. Que façam ciência aberta e percebam o quanto tudo isso é revigorante, mesmo em tempos de esperanças retraídas.

Agora, não são só alunos quem saem ganhando: nem mesmo se contarmos os alunos dos alunos, como acima, estaremos falando do todo que é o UEADSL. Autores aprendendo a escrever melhor e apresentar-se com maior presença acadêmica, convidados experimentando formas de apresentação que ainda não conheciam, membros das comissões aprendendo a dominar técnicas de trabalho em equipe a distância, gerenciar, usar e até desenvolver softwares para apoiar o evento, professores aprendendo a lidar com a interdisciplinaridade e com ferramentas tecnológicas pouco conhecidas, além de escreverem em conjunto o editorial do evento, e não devemos deixar de elencar as agências e instituições que apoiam o UEADSL, cuja compreensão do escopo do evento é um processo e não uma simples transmissão de informação: todos aprendendo uns com os outros.

Para completar esta reflexão, copio aqui o que disse, ainda há pouco à Desirée Antônio, jornalista do CAED/UFMG, numa entrevista que foi, aliás, o mote deste escrito:

O Texto Livre já produzia REA mesmo antes de saber o que essa sigla significa, desde a produção de tutoriais para uso de software livres na educação (como o LibreOffice e o Freemind) até jogos e repositórios de conteúdos específicos, como os jogos para estudo de crases, vírgulas, gramática aberta online e o Linha do Texto.

Na página do Texto Livre encontramos mais informações no http://textolivre.org/site/recursos-abertos/ e, no caso de softwares por nós desenvolvidos, em http://textolivre.org/site/softwares-do-texto-livre/

O próprio UEADSL é um recurso educacional aberto, talvez o mais completo e complexo dentre aqueles produzidos pelo grupo. Sua estrutura permite que todos os participantes (alunos-autores, professores-pareceristas, pesquisadores-mesários e membros das comissões) possam experienciar o processo de modo tal que, mesmo quem está ali para ensinar, acabe aprendendo coisas novas o tempo todo.  A cada edição, o evento se reinventa, incorporando novas perspectivas e novas opções de acordo com o grupo de pessoas que nele se envolve e, assim, até quem, como eu, está organizando o UEADSL desde 2010, acaba sempre surpreso com resultados inesperados e fascinantes.

O voluntariado também tem seu lugar de destaque, pois, muitas vezes, é um voluntário quem salva o dia. Em 2011, no primeiro semestre, lembro de estar muito atrapalhada por ter encontrado um bug no sistema do UEADSL e não estar conseguindo resolver. Atrapalhada porque isso aconteceu no primeiro dia do evento e podia prejudicar seriamente toda aquela edição.  Sem saber onde procurar ajuda, escrevi para meus alunos, pois na época estava oferecendo uma disciplina de oficina de textos para alunos das mais diferentes unidades da UFMG, inclusive computação. Chamei por voluntários e, mais naturalmente do que eu esperava, um voluntário apareceu. Aluno da computação com experiência profissional na área, o Gabriel bateu na minha porta timidamente, sentou-se em meu lugar e resolveu o problema. E o evento correu como esperado.

É esse espírito colaborativo que torna um REA poderoso, pois reflete, a meu ver, uma compreensão e ação da educação sobre o mundo, que pode ser assim resumida: o conhecimento não é do homem, é da humanidade. Por isso fazemos ciência cidadã (uma ciência situada no mundo), educação aberta (a educação voltada para o ser humano e suas comunidades) e software livre (um software que não é objetivo em si mesmo, mas surge no equilíbrio entre quem faz e quem usa).
E já que falamos em REA, deixo aqui, como despedida, o jornal-tutorial de participação:
Marcado com: , , , , , , , , , ,

UEADSL do segundo semestre de 2017 – convite para moderação de mesas

O Congresso Nacional Universidade EAD e Software Livre, que volta e meia vem povoar as páginas do blog da Ciência Aberta, está novamente chegando: do dia 27/11 a 1/12 estaremos debatendo abertamente, além dos temas centrais que o próprio nome do evento evidencia, trabalhos sobre letramento, tecnologiaas na educação, inovação e pesquisa, formação de professores e, como não poderia deixar de ser, ciência aberta.

Este semestre abrimos com antecedência a inscrição de moderadores (coordenadores de mesa), para animar e elevar o nível do debate. Se você estiver interessado em participar, é professor universitário ou estudante de pós-graduação, pode coordenar algumas mesas e, assim, dar uma apimentada na discussão trazendo o tema da ciência e da educação abertas, que, para a maioria dos autores do UEADSL2017.2, é uma total novidade.

Maiores informações podem ser obtidas na reportagem feita pela UFMG (https://ufmg.br/comunicacao/noticias/evento-abre-inscricoes-para-coordenadores-de-mesa) e no site do UEADSL (http://ueadsl.textolivre.pro.br).

Este congresso, um REA fundado sobre a educação libertária e a educação aberta, é uma verdadeira aventura didática, para todos os envolvidos, e é promovido pelo grupo Texto Livre  desde 2010 e conta com o apoio da Faculdade de Letras e do Centro de Educação a Distância, ambos da UFMG.

Marcado com: , , , , , , ,

Comunidade biohacker brasileira é tema de matéria da BBC Brasil

Biohacking - Palestra com Andres Ochoa

 

A repórter Letícia Mori escreveu uma extensa matéria sobre a comunidade biohacker brasileira, para o site da BBC Brasil.

Na matéria, entitulada: De teste de DNA caseiro a organismos geneticamente modificados: os projetos dos biohackers brasileiros, a repórter entrevista várias pessoas que compõem a comunidade, trata de alguns projetos em desenvolvimento e traz uma discussão sobre as diferenças do movimento biohacker em solo brasileiro, em relação aos Estados Unidos e a Europa.

Leia a matéria na íntegra.

Publicando sua tese, dissertação ou monografia com uma licença livre

Ni!

Oi pessoal, estou disponibilizando novamente modelos em português, com formatos ODF e Latex, para o licenciamento livre de teses, dissertações, monografias, relatórios e documentos em geral. Esses modelos incluem uma página de apresentação e metadados para as duas licenças Creative Commons livres!

Para usá-los, basta acessar os arquivos do repositório no gitlab e seguir as instruções para o formato desejado.

Em comparação aos antigos modelos, esses foram atualizados e estão usando as licenças CC 4.0 Internacional!

O objetivo desses modelos é prover uma solução esteticamente agradável, juridicamente adequada, tecnicamente completa e de uso simples para publicar sua tese com uma licença livre.

Abraços,
.~´

Lançamento do vídeo Ciência Aberta Ubatuba

O vídeo é resultado do projeto Ciência Aberta Ubatuba, uma pesquisa-ação, coordenada pelo IBICT, como parte da OCSDNet Open and Collaborative Science in Development , com o apoio financeiro do IDRC/Canada e da UKAid.

As imagens foram gravadas ao longo da realização do projeto e complementadas com entrevistas para a produção do vídeo. Estão sendo também lançados mais 17 entrevistas gravadas durante a sua produção.

A documentação do projeto está disponível pelo site-blog do projeto, pela sua wiki e também em um canal no Youtube

.~´

OpenCon 2017 em Berlin, inscrições abertas!

Ni!

As inscrições estão abertas para a OpenCon 2017 que este ano acontec em Berlim, Alemanha, nas datas de 11 a 13 de novembro!

Bolsas de participação cobrindo os custos de viagem estão disponíveis. O formulário de inscrição e mais informações encontram-se em:

https://apply.opencon2017.org/apply-2017/

Inscrições abertas até o 1o de agosto!

.~´

A revista Texto Livre: Linguagem e Tecnologia acaba de publicar novo número

A revista Texto Livre: Linguagem e Tecnologia acaba de publicar seu número
1, volume 10 de 2017, disponível em
http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/textolivre. Convidamos todos
a navegar no sumário da revista para acessar os artigos e outros itens de
seu interesse.
A revista Texto Livre: Linguagem e Tecnologia tem Qualis B2 em
Letras/Linguística e recebe artigos em fluxo contínuo
(http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/textolivre/about/submissions#authorGuidelines)

Agradecemos seu interesse e apoio contínuo em nosso trabalho,
Os editores da Texto Livre
revista@textolivre.org

Texto Livre: Linguagem e Tecnologia
v. 10, n. 1 (2017): Texto Livre: Linguagem e Tecnologia
Sumário
http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/textolivre/issue/view/560

Marcado com: , , , , ,

UEADSL2017.1: uma demonstração de vontade

O UEADSL está chegando aos seus últimos momentos. Fora apenas 41 trabalhos apresentados, de modo que a quantidade de comentários e participantes ultrapassou e muito as expectativas. Até agora, faltando menos de 4h para a meia noite, registramos 1065 visitantes e 1406 comentários. O melhor é que o nível do debate e das colocações dos participantes nos comentários publicados no blog foi muito alto, com novas informações, questionamentos e até redirecionamentos acontecendo a toda hora.

Posso falar porque, como era um evento “pequeno”, li cada um desses comentários, que tanto me entusiasmaram que algumas vezes não resisti e acabei entrando na discussão. Um exemplo foi este comentário, publicado na pagina de um dos convidados, o Alexandre Oliva, da Free Software Foundation:

“A sociedade sempre e em qualquer lugar tem esses movimentos de versão (a oficial), contraversão (a que não se adequa nem propõe outra, mas faz “por fora”) e inversão (a que propõe outra ordem, que critica e desmistifica a versão e busca algo melhor pra pôr no lugar).
Nenhuma é boa ou má por princípio, até porque isso sempre vai depender do olho que as vẽ.
Neste UEADSL vimos, em comentários de praticamente todos os trabalhos, denúncias de contraversão, sobre a falta de abertura para o novo, de estagnação, de submissão. Não é um fato isolado e nem novo: essa percepção aparece desde que se discuta a educação como opção para mudança. Ao mesmo tempo, os trabalhos publicados no evento foram exemplos de inversão, com propostas claras, inovadoras e críticas. O texto com que o Oliva nos brindou fala de um caminho válido, real, mas que pouquíssimos conhecem e menos de nós ainda conseguem seguir integralmente: optar por ser livre, optar pela colaboratividade mais cooperação mais compartilhamento mais meritocracia, optar pela cidadania de fato e de direito. Nesse caminho conheci muita, mas muita gente mesmo, milhares de pessoas dedicadas a essa luta, à capacitação de outras pessoas para poderem optar por esse caminho. O Texto Livre nasceu no meio dessas pessoas e é uma dentre muitas opções de integração ao meio. Ninguém precisa trilhar sozinho a transição para a liberdade. Como o Oliva, confirmo: venha, queremos ajudar!” (link para o comentário: http://ueadsl.textolivre.pro.br/blog/?p=8552&cpage=1#comment-12446)

O público deixou impressões entusiasmadas tanto no fórum de cafezinho quanto em comentários às apresentações de abertura e encerramento.

O entusiasmo não é sem motivo. Imagine um evento presencial em que a sala mais vazia tinha um público de 42 pessoas! Pode imaginar? No outro extremo, uma das comunicações alcançou, até agora, um público de 397 pessoas.

Vantagens de ser online, nenhum evento presencial estaria preparado para tamanho público numa comunicação. E vantagens de ser aberto, pois o público veio atrás dos assuntos e dos debates, sem impedimentos quanto a financiamento para a viagem ou até para inscrição no evento. E, sendo aberto e online, esses número só vão crescer, já bem longe do nosso controle, pois todas as apresentações e debates realizados durante o evento continuarão acessíveis pelo público, sem restrições.

Acredito ainda que tamanho entusiasmo deve-se também, ao momento político em que vivemos, no qual poucas chances de sermos ouvidos, de sermos reconhecidos, de sermos considerados temos. Encontrar um ambiente assim, acessível e acolhedor, sem preconceitos nem tratamentos diferenciados para inguém, pode ter sido sentido por muitos como um oásis. Assim, venho a público dizer o que tenho sentido nesse ano de 2017: o que precisamos é de mais oportunidades de exercer nossa liberdade.

E liberdade não se ganha: liberdade se conquista.

Até segunda, ainda deixaremos o espaço aberto ao debate, para aqueles que não puderam participar durante a semana. Os certificados de participação, portanto, saem segunda.

Agradeço a todos pelo evento incrível que estamos presenciando.

Marcado com: , , , , , , , , , , , ,
Top