Chamada “Do acceso aberto à ciência aberta” – ESOCITE 2018 Chile

Imagem de http://esocite2018.cl/

Colegas

Convido a submeterem resumo para o Esocite 2018 – XII Jornadas Latinoamericanas de Estudios Sociales de la Ciencia y la Tecnología, a realizar-se de 18 a 20 de julho, em Santiago do Chile.

Neste evento, estarei coordenando, junto com Carla Alvial Palavicino (NUMIES – UDP, Chile), María Alejandra Tejeda (Universidad Javeriana, Colombia) e Mariano Fressoli (Fundación CENIT, Argentina), a Sessão Temática “Do acesso aberto à ciência aberta: desafios, politicas e práticas no contexto latino-americano”, cuja descrição segue em anexo.

O prazo para envio de resumos é até 10 de março, no site http://esocite2018.cl/

Abs

Sarita Albagli
Ibict
http://www.ppgci.ufrj.br/docentes/sarita-albagli/

Del acceso abierto a la ciencia abierta: desafíos, políticas y prácticas en el contexto latinoamericano

Organizadores
Sarita Albagli, IBCT – UFRJ, Brasil
Carla Alvial Palavicino, NUMIES – UDP, Chile
María Alejandra Tejeda, Universidad Javeriana y STePS – Universidad de Twente, Colombia
Mariano Fressoli, Fundación CENIT, Argentina

La ciencia abierta está cambiando rápidamente la forma de acceder y utilizar el conocimiento científico. La acceso abierto, y la producción abierta y colaborativa permite que los científicos accedan a una cantidad de información que antes no se encontraba disponible: como datos de investigación, proyectos, software científico, diseños de instrumental, evaluaciones, cuadernos de laboratorio, etc.. Sin embargo, la realización de estos beneficios desafía las prácticas convencionales de la producción científica, tales como los esquemas que promueven la comercialización del conocimiento, las formas de evaluación por productividad.

Con respecto a acceso abierto, latinoamérica ha sido pionera en los temas de producción científica con los diferentes repositorios como son RedAlyc, Scielo, Clacso. Además existen experiencias incipientes de ciencia abierta. Sin embargo, estos desarrollos están alejados de las políticas de acceso y producción científica abiertas lideradas hoy por la Unión Europea y OCDE, permitiendo que un camino desarrollado de vea permeado por los requerimientos y miradas externas a nuestros contexto.

Este panel tiene como objetivo comprender de qué manera las experiencias de ciencia abierta pueden enfrentar las tensiones que existen con las prácticas convencionales de producción y comunicación científica. Para ello se explorarán cuestiones como: ¿Cuáles son los distintos significados de apertura de la ciencia? ¿Cómo concilian sus intereses por la apertura con las necesidades de cumplir con esquemas de evaluación e incentivos vigentes? ¿En qué modelos y criterios institucionales y regulatorios de evaluación, incentivo y fomento a la apertura en ciencia podrían inspirarse nuestra región? ¿Cómo se articula el rol del acceso abierto, sus políticas y prácticas, ante las nuevas cuestiones traídas por el movimiento de ciencia abierta y las diferencias que existen entre sur y norte global?

En particular, este panel busca discutir (i) la relación entre ciencia abierta y distintas formas de financiamiento de la investigación, en particular en Latinoamérica (ii) el efecto de la internacionalización de las universidades y la carrera académica, y el inclinación que existe hacia métricas y repositorios internacionales por sobre los latinoamericanos (iii) las lógicas detrás de políticas de ciencia abierta, con respecto a los objetivos de educación, comunicación de la ciencia y política pública que se buscan resolver a través de su implementación, en contraste con las brechas existentes en Latinoamérica en cada una de estas áreas (iv) incorporación de políticas de acceso abierto modelos de medición de impacto de la CTI, en particular en relación a valoración e impacto social de la investigación y (v) las nuevas agendas y desafíos (técnico, institucionales, culturales) del acceso abierto, ante las cuestiones de la ciencia abierta (datos abiertos, preprints, formatos abiertos, licencias abiertas, infraestructuras abiertas, entre otros).

SciELO anuncia adoção de preprint em 2018

Da Agência Fapesp:

O Scientific Electronic Library Online (SciELO) – programa financiado pela FAPESP – adotará duas novas ações com o intuito de se alinhar ao movimento global de ciência aberta.

O primeiro é atingir a meta de 75% dos periódicos científicos que integram a plataforma serem editados em inglês, o que deve ocorrer em março de 2018. A segunda é adotar o chamado preprint, isto é, a publicação do manuscrito em um repositório que poderá receber comentários de outros pesquisadores, antes de o artigo ser submetido a periódicos científicos.

Continue lendo…

Celebrar essa história de “publicar em inglês” como “alinhar ao movimento global de ciência aberta” é cheio de contradições, mas… a adoção de um sistema de preprints é excelente notícia! E a matéria continua com reflexões interessantes, a ler.

Como dizem, é o que tem pra janta 😉

Abraços,
l
e

O UEADSL é um jogo aberto

Hoje, encerramento oficial do Congresso Nacional Universidade EAD e Software Livre, duas conferências de encerramento estão em destaque:

A conferência “Uma plataforma de ciência aberta para o Brasil”, da Viviane Toraci, apresenta “os resultados alcançados na tese de doutoramento da autora. Mais do que compartilhar conclusões de um estudo acadêmico, conclama uma posição política do Estado brasileiro em prol do desenvolvimento da Ciência Aberta como princípio para a produção científica nacional sob financiamento público. Palavras-chave: ciência aberta; política de comunicação, comunicação científica, acesso livre”. Viviane é doutora em Comunicação pela UFPE e é servidora da Fundação Joaquim Nabuco, onde está desenvolvendo a pesquisa “Divulgação científica na internet e o ensino de Ciências Humanas na educação básica”.  Acesse o artigo e o podcast aqui.

Ana Matte (eu) e Thalita Almeida, ambas da UFMG, do grupo Texto Livre, apresentam um estudo que mostra as confluências de atores, estratégicas, recursos e metas que fazem do UEADSL um jogo: “Pensar o UEADSL como um jogo é a base de sua eficácia: somente quando o jogador assume o papel do personagem, que lhe é designado, a mágica acontece: a destreza necessária é aprendida e a perspicácia para ir além do óbvio é, aos poucos, adquirida, processo que se pode chamar de empoderamento do jogador.” Acesse o artigo e o podcast de “UEADSL é um jogo: conheça nossa jogada” aqui.

apresentacao-estudoUEADSLjogo-programação

Ainda hoje serão concedidas as Menções Honrosas e voltaremos com essa e mais notícias. Participe!

Marcado com: , , , , , , , , , , ,

Curva de aprendizado: no UEADSL, o público também aprende

Autora: Marcela Gontijo

Estamos no quarto dia de UEADSL e o principal acontecimento até agora nessa edição foi o lançamento oficial do livro “Memórias de letramentos: vozes do campo”, com organização de Carlos Henrique Silva de Castro e Luiz Henrique Magnani. Castro é membro da equipe do Texto Livre, coordenador do Evidosol/Ciltec-online e formado pelo Poslin/UFMG, o professor da UFVJM foi o primeiro a trazer estudantes de uma licenciatura do campo para o UEADSL. O livro, lançado pela editora da UFVJM, está disponível em PDF, sob licença creative commons, conforme os preceitos da ciência aberta.

Até o momento pudemos perceber que, apesar de uma diminuição do número de visualizações de páginas por visitante (de 8,9 para 7,5), temos uma maior concentração dos visitantes nos trabalhos: menos navegações pelo evento, mas mais envolvimento com os debates e as publicações e também maior interação. É um movimento que temos observado também nas edições anteriores do UEADSL, que sugere que há uma curva crescente de aprendizado dos participantes nos 3 primeiros dias do evento. Veja o gráfico abaixo com mais detalhes dos acessos e interações:

E com o evento chegando para o fim, a votação para as menções honrosas já está aberta. Para participar, basta fazer login e acessar, pelo menu à direita, o link para a votação, que encerra-se sexta, dia 01/12, às 12h. Participe!

Universidade, EAD e Software Livre – movimento

Dois dias de evento e o mês de novembro aponta para um dos maiores UEADSLs de todos, não só pello número crescente de visitantes, que já ultrapassa mil e setecentos, mas pela qualidade dessa participação, com 385 comentários publicados desde a liberação dos artigos na sexta passada. Ou seja, fazendo uma metáfora de evento presencial, cada trabalho, dentre os 56 distribuídos na grade, teve um público de 140 pessoas, com 7 perguntas no final. E, vale citar, a analogia ainda nos permite saber de um fato bem curioso para um congresso nacional: 10% do público veio dos Estados Unidos.

Acessos até 29/11 às 5h;

O artigo mais acessado de terça foi o artigo sobre o lançamento do livro: “Memórias de letramentos: vozes do campo”. Já o artigo mais comentado, aborda os traços barrocos na arquitetura do centro histórico de Diamantina. O trabalho de Maurício Teixeira Mendes tem suscitado muitos comentários sobre a arte barroca em diversas cidades mineiras.

Se você deseja saber mais sobre o evento, acompanhe as notícias publicadas pelo CAED, tais como Manifesto em defesa do ensino superior público e gratuito marca abertura do UEaDSL 2017/2 (publicada em 27/11) e Com edição marcada para próxima semana, UEaDSL tem organização complexa feita por voluntários (23 de novembro).

A partir de hoje está aberta a votação para menção honrosa. O prêmio, concedido aos melhores trabalhos pela Comissão Científica, também é concedido ao melhor trabalho escolhido pelo público. Participe!

Ana e Marcela

Inovação, propriedade intelectual e desenvolvimento

Fonte: Outras Palavras (http://outraspalavras.net/capa/stiglitz-por-que-e-preciso-negar-as-patentes/)

Ni!

Foi traduzido esses dias um texto de Stiglitz e outros sobre o imperativo de recusar patentes para promover desenvolvimento no século XXI.

http://outraspalavras.net/capa/stiglitz-por-que-e-preciso-negar-as-patentes/

Esse texto é interessante em si, mas também é uma chamada para ler o artigo completo dos pesquisadores, que fazem uma análise teórica e empírica dos fatos em torno do tema, propondo melhores abordagens para inovação no século XXI:

http://cepr.net/images/stories/reports/baker-jayadev-stiglitz-innovation-ip-development-2017-07.pdf

Abraços,
l
e
.~´

Primeiro dia de UEADSL: foi dada a largada!

reportagem: Marcela Gontijo

Começou ontem o O Congresso Nacional Universidade EAD e Software Livre – UEaDSL e já tivemos muitos acessos! Apesar de registrar comentários do público desde sexta dia 23, somente nesta segunda o evento começou oficialmente , com encerramento previsto para sexta-feira, dia 1º. A 13ª edição do evento online recebeu .

Na última edição, em junho desse ano, tivemos mais 12 mil acessos no portal do evento e a atual edição já conta com mais de 5 mil acessos. Um sucesso! Com cerca de 1500 visitantes até agora, por ser um evento online assíncrono, o UEADSL tem visitantes do Brasil, Angola, Portugal, Estados Unidos, Moçambique, Alemanha Candá e México, o que só contribui para a diversidade do evento. Dentre os termos mais buscados, temos “repertorio linguístico dos adolescentes” e “ueadsl”.

As expectativas para o evento estão altas, pois há muitos trabalhos interessantes este semestre feito por diversos alunos e bolsistas. Quem quiser conhecer mais, pode conferir em nosso site! Amanhã voltamos com mais notícias.

Algumas figuras do evento (obtidas por Matte, 2017, Usando Jetpack/Wordpress):

Dados de novembro até 18h do dia 27.

Dados de novembro até 18h do dia 27.

 

Participação por país.

Participação por país.

 

Marcado com: , , , , , , , , , , , , ,

Começa hoje o UEADSL2017.2

Abrimos a chamada no Congresso Nacional Universidade Educação e Software Livre (UEADSL)para participação de pesquisadores em formação e professores universitários como debatedores (coordenadores de mesa ou mesários) das propostas do UEADSL pensando que poderia aparecer alguém… São tantos que cada trabalho se vê, praticamente, numa defesa de mestrado, sem a tensão decorrente, mas muito empenho.

Na esteira do trabalho voluntário, sempre presente no Texto Livre, grupo que promove o UEADSL desde 2010, trago aqui a chamada criada pelo Renato, um dos professores que, no meio dos trabalhos para corrigir e acompanhar, ainda achou tempo para essa arte.

Participe! Divulgue!

Marcado com: , , , , , , , , , , , ,

REA interativo: começando antes de começar

Nesta segunda-feira próxima, o Congresso Nacional Universidade EAD e Software Livre, edição 2017.2, inicia suas atividades. Isto é, inicia oficialmente, porque, na prática, o debate começou há 2 dias, quando começamos a disponibilizar os trabalhos na grade de programação.

Vantagens de ser online e assíncrono, mas também vantagem de ser povoado por pessoas que acreditam na educação, de uma forma bem paulofreiriana de ser. As atividades começaram com uma turma de alunos de uma escola de ensino médio campo cujo professor, Maurício Teixeira Mendes, graduando da UFVJM no curso de Licenciatura em Educação do Campo, participa, por sua vez, também como aluno de uma disciplina ministrada por Carlos Castro, um professor que figura dentre os mais assíduos participantes do evento. Fiz questão dessa frase longa e até confusa: na prática, fazer educação aberta é correr o risco de perder o controle da turma. Não aquele controle do “todos em silêncio” que faz ser mais fácil passar um conhecimento estático, mas o controle dos limites do que ensinamos, pois ao ensinar a aprender com autonomia, ensinamos que os limites não são dados a priori e aquilo que fizermos pode multiplicar-se indefinidamente.

Se perguntarem, portanto, o que eu espero que o UEADSL faça por meus alunos, posso responder: que sejam multiplicadores dessa postura colaborativa, do compromisso com o conhecimento compartilhado e do respeito à liberdade e à diversidade. Que façam ciência aberta e percebam o quanto tudo isso é revigorante, mesmo em tempos de esperanças retraídas.

Agora, não são só alunos quem saem ganhando: nem mesmo se contarmos os alunos dos alunos, como acima, estaremos falando do todo que é o UEADSL. Autores aprendendo a escrever melhor e apresentar-se com maior presença acadêmica, convidados experimentando formas de apresentação que ainda não conheciam, membros das comissões aprendendo a dominar técnicas de trabalho em equipe a distância, gerenciar, usar e até desenvolver softwares para apoiar o evento, professores aprendendo a lidar com a interdisciplinaridade e com ferramentas tecnológicas pouco conhecidas, além de escreverem em conjunto o editorial do evento, e não devemos deixar de elencar as agências e instituições que apoiam o UEADSL, cuja compreensão do escopo do evento é um processo e não uma simples transmissão de informação: todos aprendendo uns com os outros.

Para completar esta reflexão, copio aqui o que disse, ainda há pouco à Desirée Antônio, jornalista do CAED/UFMG, numa entrevista que foi, aliás, o mote deste escrito:

O Texto Livre já produzia REA mesmo antes de saber o que essa sigla significa, desde a produção de tutoriais para uso de software livres na educação (como o LibreOffice e o Freemind) até jogos e repositórios de conteúdos específicos, como os jogos para estudo de crases, vírgulas, gramática aberta online e o Linha do Texto.

Na página do Texto Livre encontramos mais informações no http://textolivre.org/site/recursos-abertos/ e, no caso de softwares por nós desenvolvidos, em http://textolivre.org/site/softwares-do-texto-livre/

O próprio UEADSL é um recurso educacional aberto, talvez o mais completo e complexo dentre aqueles produzidos pelo grupo. Sua estrutura permite que todos os participantes (alunos-autores, professores-pareceristas, pesquisadores-mesários e membros das comissões) possam experienciar o processo de modo tal que, mesmo quem está ali para ensinar, acabe aprendendo coisas novas o tempo todo.  A cada edição, o evento se reinventa, incorporando novas perspectivas e novas opções de acordo com o grupo de pessoas que nele se envolve e, assim, até quem, como eu, está organizando o UEADSL desde 2010, acaba sempre surpreso com resultados inesperados e fascinantes.

O voluntariado também tem seu lugar de destaque, pois, muitas vezes, é um voluntário quem salva o dia. Em 2011, no primeiro semestre, lembro de estar muito atrapalhada por ter encontrado um bug no sistema do UEADSL e não estar conseguindo resolver. Atrapalhada porque isso aconteceu no primeiro dia do evento e podia prejudicar seriamente toda aquela edição.  Sem saber onde procurar ajuda, escrevi para meus alunos, pois na época estava oferecendo uma disciplina de oficina de textos para alunos das mais diferentes unidades da UFMG, inclusive computação. Chamei por voluntários e, mais naturalmente do que eu esperava, um voluntário apareceu. Aluno da computação com experiência profissional na área, o Gabriel bateu na minha porta timidamente, sentou-se em meu lugar e resolveu o problema. E o evento correu como esperado.

É esse espírito colaborativo que torna um REA poderoso, pois reflete, a meu ver, uma compreensão e ação da educação sobre o mundo, que pode ser assim resumida: o conhecimento não é do homem, é da humanidade. Por isso fazemos ciência cidadã (uma ciência situada no mundo), educação aberta (a educação voltada para o ser humano e suas comunidades) e software livre (um software que não é objetivo em si mesmo, mas surge no equilíbrio entre quem faz e quem usa).
E já que falamos em REA, deixo aqui, como despedida, o jornal-tutorial de participação:
Marcado com: , , , , , , , , , ,

UEADSL do segundo semestre de 2017 – convite para moderação de mesas

O Congresso Nacional Universidade EAD e Software Livre, que volta e meia vem povoar as páginas do blog da Ciência Aberta, está novamente chegando: do dia 27/11 a 1/12 estaremos debatendo abertamente, além dos temas centrais que o próprio nome do evento evidencia, trabalhos sobre letramento, tecnologiaas na educação, inovação e pesquisa, formação de professores e, como não poderia deixar de ser, ciência aberta.

Este semestre abrimos com antecedência a inscrição de moderadores (coordenadores de mesa), para animar e elevar o nível do debate. Se você estiver interessado em participar, é professor universitário ou estudante de pós-graduação, pode coordenar algumas mesas e, assim, dar uma apimentada na discussão trazendo o tema da ciência e da educação abertas, que, para a maioria dos autores do UEADSL2017.2, é uma total novidade.

Maiores informações podem ser obtidas na reportagem feita pela UFMG (https://ufmg.br/comunicacao/noticias/evento-abre-inscricoes-para-coordenadores-de-mesa) e no site do UEADSL (http://ueadsl.textolivre.pro.br).

Este congresso, um REA fundado sobre a educação libertária e a educação aberta, é uma verdadeira aventura didática, para todos os envolvidos, e é promovido pelo grupo Texto Livre  desde 2010 e conta com o apoio da Faculdade de Letras e do Centro de Educação a Distância, ambos da UFMG.

Marcado com: , , , , , , ,
Top