OpenLattes/ScriptLattes Sprint

No dia 08 de novembro, sábado, será realizado na UNICAMP um sprint voltado ao OpenLattes/ScriptLattes.

Sumário

O objetivo do sprint é iniciar as atividades relacionadas com o OpenLattes/ScriptLattes (isso inclui debate sobre o projeto, planejamento, prototipagem, documentação, …) e colocar as pessoas da comunidade interessadas no assunto em contato.

As atividades serão realizadas no NIED, com início às 9:00, com a possibilidade de participação remota.

Propostas

Qualquer trabalho relacionado com o OpenLattes/ScriptLattes são bem vindos. Apenas pedimos que seja feita uma proposta inicial concreta pois, normalmente, começar sem um norte é uma forma de andar em círculos durante o sprint.

As propostas iniciais incluem: documentar o ScriptLattes, escrever exemplos que utilizam o ScriptLattes, portar o ScriptLattes para Python3 (com algumas melhorias de engenharia de software).

Se tiver alguma sugestão você pode utilizar o sistema de comentários desse blog para fazer sua sugestão.

Como participar

Estaremos utilizando o espaço do NIED na UNICAMP e os interessados apenas precisam comparecer no espaço dia 08 a partir das 9:00.Teremos suporte a vídeo conferência para possibilitar a participação remota de quem desejar.

Adoraríamos ver caravanas do pessoal da região “metropolitana” do Estado São Paulo.

Outras perguntas e respostas

  1. Quem pode participar?

    Qualquer um.

  2. Preciso ser um programador?

    Não. As pessoas melhor qualificadas para várias das atividades são aquelas sem conhecimento de programação.

  3. Devo levar meu próprio computador?

    Sim.

  4. Sobre almoço, lanche e happy hour?

    Existem boas opções próximas ao NIED.

  5. Saiba mais na página do projeto na Wikiversidade
Publicado em Dados abertos, Encontros

O Estado da Matemática no Acesso Aberto

Nessa semana, 20-26 de Outubro de 2014, ocorre a Open Access Week (veja o anúncio) e termina com o Mozilla Festival que possui uma ótima trilha de ciência. Este post possui alguns pensamentos sobre matemática, acesso aberto e esses dois eventos.

Acesso Aberto e Matemática

Da Budapest Open Access Initiative temos

"By "open access" to this literature, we mean its free availability on the public internet, permitting any users to read, download, copy, distribute, print, search, or link to the full texts of these articles, crawl them for indexing, pass them as data to software, or use them for any other lawful purpose, without financial, legal, or technical barriers other than those inseparable from gaining access to the internet itself. The only constraint on reproduction and distribution, and the only role for copyright in this domain, should be to give authors control over the integrity of their work and the right to be properly acknowledged and cited."

Infelizmente, atualmente, qualquer recurso matemática em acesso aberto não encontra-se totalmente de acordo com a definição de Budapeste pois algumas vezes usuários não podem ler ou buscar ou transmitir a expressão matemática para um software devido a barreiras técnicas. Continue a ler para entender isso.

Dispositivos

Usuários deveriam ser capaz de ler expressões matemáticas independente do dispositivo que possuem. Você já tentou ler uma expressão matemática em um dispositivo pequeno (como um celular)?

small-screen

Em alguns casos a expressão matemática é maior que a tela e o dispositivo não quebra a equação em múltiplas linhas nem deixa o usuário rolar a tela ou ampliar/reduzir o texto.

Expressões Matemáticas como Imagens

Atualmente, na maior parte do tempo que você encontra na internet é uma imagem rasterizada (pense em um arquivo JPG). Isso não ajuda o acesso aberto pois você não pode remixar, buscar ou usar a expressão como entrada para um programa de computador. Se você possuir alguma dificuldade visual você também pode ser incapaz de ler a expressão.

Existe uma solução? Sim, MathML. MathML é um padrão proposto pelo W3C que possibilita remixar, buscar ou usar a expressão como entrada para um programa de computador (que torna possível oferecer soluções para pessoas com dificuldades visuais).

Ferramentas de Escrita para MathML

Já temos uma longa lista de ferramentas com suporte para produzir MathML. No caso do acesso aberto gostaria de destacar pandoc, que converte vários formatos de arquivo para HTML+MathML, e LaTeXML, que converte LaTeX para HTML+MathML e possui suporte a vários pacotes LaTeX.

Ferramentas de Leitura para MathML

Ferramentas para renderizar MathML é o grande empecilho para adoção de MathML. O motor utilizado pelo Firefox e Chrome possuem suporte ao MathML (Chrome não é distribuido com suporte a MathML) mas o Gecko, o motor do Firefox, ainda precisa seguir parte da especificação do W3C (quebra de expressões em linhas e matemática elementar) e o WebKit, o motor do Chrome, precisa de várias melhorias e, também, seguir parte da especificação do W3C.

mathml-on-firefox
mathml-on-epiphany

Nota:
A maior parte, se não toda, da implementação do suporte ao MathML no Gecko e WebKit foi feito por voluntários que algumas vezes possuem sorte em ter sucesso em projetos de crowd founding para alavancar o suporte ao MathML.

MathML na Open Access Week e MozFest

Estou um pouco desapontado por não ter visto notícias relacionadas com MathML durante a Open Access Week e que, algumas vezes, a conversa em grupos de Acesso Aberto limitação a licenças e barreiras financeiras.

Em relação ao MozFest, também não vi nenhuma proposta dedicada ao MathML mas tenho esperança de ouvir alguma coisa da sessão sobre ferramentas para escrita.

Publicado em A organizar

Encontro Virtual de Outubro do Grupo de Trabalho em Ciência Aberta

Acontece no próximo dia 28 de outubro, às 20h30, mais um Encontro Virtual do Grupo de Trabalho em Ciência Aberta. O encontro é aberto e ocorre sempre na última terça-feira de cada mês. Instruções para participar será adicionada como comentário deste post no dia 28.

O tema dessa edição é a Open Access Week que está ocorrendo nessa semana e queremos ouvir o que vocês acharam do “evento”. A pauta completa do encontro está sendo organizada nesse pad.

Publicado em Anúncios do grupo, Encontros, webconferência

Guia de Boas Práticas para Revistas Acadêmicas de Acesso Aberto

“Acesso aberto” à literatura científica revisada por pares significa a disponibilidade livre na Internet, permitindo a qualquer usuário ler, fazer download, copiar, distribuir, imprimir, pesquisar ou referenciar o texto integral desses artigos, recolhe-los para indexação, introduzi-los como dados em software, ou usá-los para outro qualquer fim legal, sem barreiras financeiras, legais ou técnicas que não sejam inseparáveis ao próprio acesso a uma conexão à Internet. As únicas restrições de reprodução ou distribuição e o único papel para o direito autoral neste domínio é dar aos autores o controle sobre a integridade do seu trabalho e o direito de ser devidamente reconhecido e citado (The Budapest Open Access Initiative after 10 years).

O Projeto “Revistas Abiertas” é uma plataforma de informação sobre as políticas e práticas editoriais mais recomendadas para publicações acadêmicas que atendam aos padrões de Acesso Aberto (Open Access em inglês) na América Latina. É um projeto da ONG de Derechos Digitales (Chile) apoiados pela Fundação Karisma (Colômbia).

Equipo de trabajo

O Projeto desenvolve algumas ferramentas, entre elas, o Guía de Buenas Prácticas para Revistas Académicas de Acceso Abierto, que apresenta os principais padrões de publicação em Acesso Aberto e uma compilação das melhores práticas que podem proporcionar às revistas elevar sua visibilidade e ter melhores chances de serem aceitas em índices, base de dados e diretórios.

Os infográficos vão desde como planejar uma publicação periódica acadêmica, passando pelos processos editoriais e técnicos em ambiente online, além de fornecer recomendações legais e técnicas de visibilidade para a revista. Mais detalhes podem ser encontrados no texto disponível em: “Guía de Buenas Prácticas para Revistas Académicas de Acceso Abierto“.

Publicado em Acesso Aberto, Ferramentas abertas, Práticas exemplares

Periódico da Nature em acesso aberto “puro”: já podemos comemorar?

A editora Nature informou recentemente que, em outubro, seu periódico Nature Communications se tornará de acesso aberto “puro”: todos os artigos publicados a partir de então poderão ser lidos e reutilizados gratuitamente (a princípio eles entrarão no ar sob uma licença Creative Commons-BY, que permite praticamente todo tipo de uso e reuso). Até hoje o periódico era híbrido, publicando em acesso aberto ou fechado de acordo com a opção do autor, mas agora ele será exclusivamente de acesso aberto. O grupo que publica a revista Science também já possuía um periódico de acesso aberto “puro”, o Science Advances — mas parte dos artigos eram publicados sob a licença CC-NC, que impede usos comerciais.

Pronto: os maiores bastiões da publicação científica tradicional dão sinais claros de apoiar o avanço do acesso aberto. Será que já podemos estourar as champanhes? É evidente que a notícia tem aspectos positivos: vidas poderão ser salvas em países pobres, quando médicos, por exemplo, tiverem acesso às informações científicas mais atualizadas — informações que antes estavam fechadas atrás de um paywall intransponível para a maioria do terceiro mundo. Os trabalhos publicados sob acesso aberto tendem a alcançar mais visibilidade, e isso pode beneficiar a pesquisa de países como o Brasil.

O quadro, no entanto, é mais complexo do que parece. Nesses dois casos, Nature e Science adotam um modelo específico de acesso aberto: o chamado “modelo ouro”, em que os custos da publicação são cobertos por uma taxa cobrada dos autores dos artigos aprovados (o article processing charge, ou APC); o acesso aos artigos é aberto para leitores e usuários, mas o acesso a esse espaço de publicação é fechado aos autores que puderem pagar a cobrança. No caso do Nature Communications, essa cobrança é de US$ 5000 por artigo, uma das mais altas em qualquer periódico existente (em 2010, a maior registrada era de US$ 3900 — segundo o levantamento de um artigo… em acesso fechado).

Essa cobrança equivale a quase dois meses de salário líquido de um professor brasileiro nas melhores carreiras de universidades públicas (as de dedicação exclusiva). Quem aí topa pagar 15% de sua renda anual para publicar um artigo? A Nature informou que dispensará o pagamento da taxa para pesquisadores de uma lista de países mais pobres (mas que não inclui Brasil, China, Índia, Paquistão e Líbia, entre outros), e também para outros numa análise “caso a caso” — mas sem dar mais nenhuma informação objetiva sobre essa política. (Palpito que é melhor não apostar numa generosidade desbragada da editora que cobra US$ 32 para quem quer ler um único artigo, ou US$ 18 para ler uma única seção de cartas [!] das suas revistas.)

Por outro lado, a tendência mundial é que as instituições às quais os pesquisadores estão vinculados (a universidade em que ele trabalha, ou a agência de fomento à pesquisa que financia sua pesquisa) arquem com parte dessas cobranças, em parte pelo valor que atribuem à publicação em periódicos de alto impacto. A Fapesp, por exemplo, oferece um apoio específico para pagar essas taxas, e também autoriza que elas sejam pagas com a chamada “reserva técnica” de bolsas e apoios a projetos de pesquisa. Ocorre, porém, que a verba disponível para esses auxílios é limitada, e em geral eles não são dados automaticamente; no exemplo da Fapesp, os pesquisadores concorrem entre si pela verba, e um dos principais critérios de avaliação é — como em quase toda a burocracia acadêmica hoje — o histórico de publicações do autor:

Critérios de análise [...]

a) Histórico Acadêmico do Solicitante

a.1) Qualidade e regularidade da produção científica e/ou tecnológica. Elementos importantes para essa análise são: lista de publicações em periódicos com seletiva política editorial; livros ou capítulos de livros [...]

Ou seja, o pagamento pelas instituições tem boas chances de alimentar uma espécie de espiral viciosa, em que pesquisadores que já publicam em grandes revistas conseguem mais dinheiro e mais chances de publicar, e os demais não.

O avanço do acesso aberto pela via do modelo ouro ainda envolve outro risco: a proliferação das chamadas editoras predatórias. Trata-se de editoras que fazem da publicação em acesso aberto (com pagamento por autores) um negócio em que o lucro é maximizado por meio da redução drástica dos padrões de qualidade exigidos na revisão por pares — ou mesmo pela virtual eliminação da revisão: se pagar, publica-se. Por um lado, esse modelo satisfaz as cobranças de produtivismo sobre pesquisadores (cujas carreiras são avaliadas pelo crivo do lema publicar ou perecer); por outro, ele explora o fato de que, no modelo ouro, é possível tornar o ato da publicação em uma mercadoria, a ser vendida a esses pesquisadores, e com isso obter altas taxas de lucro — mesmo sem recorrer ao monopólio baseado em propriedade intelectual, que era a chave do poder econômico das editoras científicas tradicionais com publicações “fechadas”. O uso de uma lógica estritamente mercantil resulta, aqui, na poluição e degradação do acervo de conhecimento científico da humanidade, pois o central para as editoras predatórias é a maximização de lucro: a qualidade dos artigos é irrelevante, ou apenas um fator secundário.

Evidentemente, não quero com isso dizer que a Nature tornou-se uma editora predatória; mas acredito que exista o risco de uma lenta corrupção do processo de revisão (para garantir mais lucros com publicações) em editoras sérias mas com menos poder de mercado, assim como o risco da multiplicação de periódicos fajutos, que fazem uma revisão por pares apenas de fachada. Nesse último caso, infelizmente não se trata de um risco hipotético: esse “modelo de negócio” escuso já é adotado em centenas de periódicos.

Mas será que então estamos num beco sem saída quanto a esse problema da mercantilização da publicação científica? Ele estará presente seja nos periódicos fechados, seja nos de acesso aberto? Não necessariamente: mesmo no interior do modelo ouro, há iniciativas positivas nesse sentido — é o caso da Public Library of Science (PLOS), uma editora em acesso aberto que cobra pela publicação, mas funciona sem finalidades de lucro; por conta disso, ela não tem motivos para eliminar critérios de qualidade na seleção de artigos com vistas a obter mais com a cobrança por publicação. Talvez isso também explique o fato de ela possuir uma política de isenção de taxas para pesquisadores pobres (ou de países pobres) mais transparente e com cobertura mais ampla do que a da Nature. E vale lembrar, por fim, que o modelo ouro não é o único modelo existente para a publicação em acesso aberto: a principal alternativa é o modelo verde, baseado em repositórios institucionais. Esse modelo impõe uma série de desafios de coordenação e de custeio, mas a tendência é que nele a publicação deixe de seguir uma lógica estritamente mercantil, e siga um modelo mais próximo dos interesses comuns da sociedade e da comunidade acadêmica; ele não é propriamente um substituto do modelo ouro (até porque a princípio ele não é pensado para custear a revisão por pares), mas é importante juntar esforços para fortalecê-lo, evitando que o modelo ouro torne-se a única via para o acesso aberto.

(Os comentários que fiz aqui estão diretamente relacionados à minha tese de doutorado sobre bens comuns e mercantilização, onde esses assuntos são explorados com um pouco mais de detalhe — principalmente na introdução e no capítulo 4, pp. 17-20 e 272-88. Este post nasceu de um debate na lista do Grupo de Trabalho Ciência Aberta.)

Marcado com: , , ,
Publicado em Acesso Aberto, Reflexões

A ciência, de coração aberto

O jornalista e o cientista. Um querendo saber de tudo, decifrar e divulgar para o mundo. O outro, por vezes, age de maneira discreta, com medo do que a mídia vai veicular sobre a sua pesquisa, especialmente se os resultados ainda forem parciais.

Nenhum dos dois está errado e cada um tem seus medos e dilemas, seguindo sua ética profissional. Mas, o que fica cada vez mais óbvio é a importância de tirar a ciência dos galpões das universidades, dos recônditos laboratórios e dos infindáveis protocolos.

E para termos, de fato, uma ciência aberta, que fale não apenas de métodos, mas que toque no aspecto humano da pesquisa e seus impactos para a sociedade, precisamos de uma mudança de paradigma. O jornalista que trabalha com ciência não pode querer “traduzir” o que leu em um paper e nem pode o cientista resguardar seus dados com medo de que eles sejam publicados de maneira incorreta.

O jornalista de ciência deve, antes de tudo, focar-se mais nos resultados e nos impactos que a pesquisa trará para a vida de determinado grupo social do que para o currículo do cientista e deve ver o cientista muito mais que como um mero pesquisador, mas sim como um ser humano que tem medos e cuja subjetividade influencia no objeto pesquisado.

A divulgação científica não pode ser vista como tradução de métodos para a linguagem leiga, deve, antes de tudo, referenciar as condições sociais de desenvolvimento da pesquisa, o contexto, cenário, desafios e também os dilemas e contrariedades que traz em si.

Uma ciência aberta precisa de um jornalista de coração aberto para encarar a ciência como além do que aquilo que é praticado pelo cientista, mas sim, como o exercício da curiosidade humana em busca de respostas para seus fenômenos.

Como disse o jornalista Carlos Fioravanti recentemente, em uma de suas belíssimas reportagens, “para fazer um trabalho abrangente, os pesquisadores têm de sair do laboratório, colocar uma roupa de estrada, viajar para lugares inimagináveis, conhecer os hábitos e os silêncios dos moradores do interior do país e buscar informações em outros espaços”. É deste caminho das pedras que falo para ter uma ciência verdadeiramente humana e social, na qual o jornalista não tema divulgar as incertezas da pesquisa e o cientista não se sinta inseguro de não ter nos resultados de seu trabalho verdades incotestáveis.

Referência

http://revistapesquisa.fapesp.br/2014/08/21/o-caminho-de-pedras-das-doencas-raras/

Texto: Isabela Pimentel, jornalista, especializada em divulgação científica

Publicado em Ciência Aberta, Outras notícias

Reflexões sobre o encontro Ciência Aberta, Questões Abertas

Na semana do dia 18 de agosto ocorreu, no Rio de Janeiro, o encontro Ciência Aberta, Questões Abertas que foi uma ótima oportunidade de debater sobre o tema ciência aberta.

Por Anneclinio (Obra do próprio) [CC-BY-SA-4.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)], undefined

Segunda e terça foram dias de workshops:

  • Software Carpentry: ministrado por Raniere Silva e Alex Viana que introduziram os participantes ao Git, um sistema de controle de versão distribuído.
  • Hackaton de hardware científico aberto:reunindo pesquisadores envolvidos com hardware aberto no brasil e exterior, que trouxeram kits de hardware aberto, tanto didáticos como instrumentais, para trabalhar juntos e discutir atividades e possíveis progressos para a área.
  • Content Mining: ministrado Peter Murray-Rust apresentou conceitos de web semântica e como utlizar a ferramenta sendo desenvolvida por seu grupo para extração de conteúdo e significado de artigos científicos em larga escala.
  • Métricas alternativas: Iara Vidal e Andrea Gonçalves debateram o uso de métricas alternativas e mostram como obtê-las e também como criar um perfil para agregar as novas métricas. Os slides utilizados estão disponíveis no Slideshare.
  • Wikiversidade, abrindo projetos e cadernos de pesquisa: Ale Abdo e Daniel Mietchen apresentaram a Wikiversidade, um espaço para colaboração científica livre, parceiro da Wikipédia. Utilizando desse espaço e e outras ferramentas de colaboração, os participantes produziram um documento coletivo e bilíngue a respeito do significado e possibilidades de compararar experimentalmente processos científicos realizados com e sem práticas abertas.
  • Wikimedia projects as plataforms for Open Science: Daniel Mietchen mostrou diversos exemplos de uso acadêmico dos projetos Wikimedia, como Wikipédia, Commons e Wikisource, assim como formas de acadêmicos contribuirem para esses projetos também se beneficiando dessa contribuição.
  • Pesquisa visual: explorando interseções entre pesquisa visual e ciência aberta, a professora Liliane Leroux e o cineasta Flávio Machado, do Nucleo de Estudos Visuais em Periferias Urbanas (NuVisu-UERJ), questionaram o status atual das imagens no campo científico, mostrando sua gradativa subestimação em favor da valorização da palavra como eixo do pensamento. Recuperou-se exemplos históricos, como imagens animadas em estudos sobre o trote de cavalos, o registro em imagens de outros povos pelos europeus, e recentes inovações com a publicação de artigos científicos em audiovisuais em periódicos como Jove. Os participantes realizaram uma atividade prática simulando uma pesquisa exploratória sobre o campus da UFRJ, concluída com um debate comparando as opções, estilos e intencionalidades narrativas e de uso da câmera em cada grupo.

Na quarta, quinta e sexta realizou-se o seminário:

  • Palestra de Abertura – The Republic of Open Science: Paul David apresentou um panorama histórico da ciência aberta.
  • Ciência aberta: questões em debate: Nessa sessão de abertura, Alessandro Delfanti, Leslie Chan e Sarita Albagli pincelaram os temas que seriam abordados nos próximos dois dias.
  • Ciência cidadã e educação aberta: Denisa Kera e Ellen Jorgensen falaram sobre o uso de espaços comunitários (e.g. hackerspaces) para produção e expansão da ciência enquanto David Cavallo abordou a produção e aplicação da ciência em comunidades remotas.
  • Ferramentas científicas e hardware abertos: Paulo Meirelles e Alex Viana falaram sobre o uso de software livre na academia e sua importância para a efetividade da ciência, destacando a necessidade de sua difusão entre alunos, enquanto Rafael Pezzi falou semelhantemente sobre hardware aberto, a necessidade de softwares livres para projetá-los (e.g. CAD livre) e conflitos com as diretrizes de patentamento e avaliação nas instituições.
  • Inovações em publicação científica aberta e alternativas de avaliação: Cameron Neylon, Leslie Chan e Daniel Mietchen falaram dos problemas e das mudanças nos processos de avaliação e publicação na ciência, discutindo e demonstrando o potencial abordagens alternativas.
  • Dados científicos abertos: Peter Murray-Rust atacou a cultura fechada na academia, expondo danos causados, e justificou o espírito da publicação dados na prática de Cadernos de Pesquisa Abertos (Open Notebook Science), enquanto Robson Souza falou sobre a história, estrutura e manutenção de bancos de dados científicos públicos, e Jorge Machado mostrou como dados abertos aproximam ensino e pesquisa na sua prática, e como a Lei de Acesso à Informação pode ser aplicada na abertura de dados relevantes para a ciência.
  • Wikipesquisas e cadernos científicos abertos: Cameron Neylon falou sobre o tema através de um histórico do pensamento e práticas de Jean-Claude Bradley. Matthew Todd apresentou sua iniciativa para descoberta de fármacos para tratar a malária, e Alexandre Abdo mostrou algumas experiências brasileiras utilizando wikis e outras plataformas para colaboração acadêmica aberta e em tempo real.

Ao término do seminário, Anne Clinio leu um texto pessoam em homenagem a Jean-Claude Bradley, encerrando-se com um vídeo do próprio apresentando suas ideias e práticas, virtualmente trazendo-as com brilhantismo como palestrante homenageado do seminário.

Durante o evento aconteceram discussões no Twitter usando a hashtag #OSRio, que foram sintetizadas pela Iara Vidal VPS num Storify junto a links para material adicional.

Por Anneclinio (Obra do próprio) [CC-BY-SA-4.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)], undefined

Publicado em Ciência Aberta, Encontros

Seminário internacional discute ciência aberta

Acontece entre os dias 18 e 22 de agosto o seminário internacional “Ciência Aberta, Questões Abertas” e o encontro do Grupo de Trabalho em Ciência Aberta. O seminário, com início no dia 20, reúne pesquisadores e pesquisadoras de diversas universidades, centros de pesquisa e hackerspaces nacionais e internacionais engajados na promoção de práticas abertas na ciência.

sevensisters-opening

Entre os temas que serão discutidos estão ciência cidadã e educação aberta, ferramentas científicas e hardware aberto, inovações em publicações científicas e alternativas de avaliação, dados científicos abertos, wikipesquisas e cadernos científicos abertos. A programação completa do evento, assim como informações sobre local, horários e incrição, podem ser encontradas no site www.cienciaaberta.net/encontro2014.

Os dias 18 e 19 estão reservados para uma série de oficinas que envolvem temas como content mining, métricas alternativas, projetos wikimedia, entre outros (confira a programação completa aqui). O encontro é promovido pela Open Knowledge Brasil, Liinc, Ibict, Unirio e pelo Grupo de Trabalho em Ciência Aberta.

Movimento pela ciência aberta

O movimento pela ciência aberta defende a adoção de práticas de pesquisa científica que priorizem a disponibilização de suas produções de forma aberta nas redes para os diversos públicos – de especialistas a leigos. Essa abertura pode envolver desde a publicação, com formatos e licenças abertos, de dados brutos e anotações de pesquisa, até a disponibilização de softwares, designs de instrumentos e a já mais difundida publicação de artigos científicos nas revistas de acesso aberto.

Alguns dos argumentos a favor dessas práticas são a garantia de reproducibilidade e facilitação do aperfeiçoamento, a possibilidade de
uma revisão por pares mais ampla e profunda e propiciar a colaboração online para além das fronteiras geográficas ou institucionais, até mesmo com engajamento protagonista da sociedade com a produção científica, como nas práticas de ciência cidadã.

Grupo de trabalho

Criado em 2013, o Grupo de Trabalho em Ciência Aberta é parte de uma rede global de ciência aberta apoiada pela Open Knowledge. No Brasil, ele é formado por pesquisadores e pesquisadoras em dezenas de universidades brasileiras que buscam promover e estudar práticas abertas na ciência. Atualmente, o grupo mantém um blog com textos de reflexão e notícias sobre o tema, além de uma lista de emails aberta onde as pessoas interessadas podem se inscrever para acompanhar as discussões e se envolver com as atividades do grupo.

Texto: Jamila Venturini no blog da Open Knowledge Brasil

Publicado em Anúncios do grupo, Encontros, Genéricos

Água – Um Olhar Aberto

Billings 2008051703.jpg
Billings 2008051703” por Hamilton Breternitz Furtado – Obra do próprio. Licenciado sob CC BY 3.0 via Wikimedia Commons.

Água – Disponibilidade e Qualidade, são temas que despertam o interesse de muitos, em maior ou menor grau.

Alguns lidam com esses assuntos de forma profissional pois trabalham em organizações públicas ou privadas que atuam, direta ou indiretamente, com Recursos Hídricos. Muitos vêem na Água apenas um bom negócio com grandes oportunidades de lucro. Daí vem a expressão “Vender como água”.

Outros tantos lidam com essas questões vendo nelas oportunidades para se sentirem úteis e atuam voluntariamente na busca de alternativas para os desafios do tema Água. E alguns milhões de seres humanos se preocupam com a Água porque estão vivenciando dificuldades concretas no seu dia a dia decorrentes da escassez ou da qualidade inadequada desse recurso.

Seja qual for a motivação, ou as motivações, para se envolver com esse assunto, acredito que um componente fundamental é o “Acesso à Informação”. Mas que tipo de informação é importante quando se trata de um tema tão universal?

Quais saberes são necessários para termos uma visão razoavelmente abrangente sobre o tema, e podermos contribuir, dentro do nossos campos de atuação, para o aumento da Sustentabilidade na gestão dos Recursos Hídricos? Tenho me feito essa pergunta e por isso procurei organizar algumas informações para me localizar em um tema tão Multidisciplinar. Escolhi tentar seguir o “Caminho das Águas” dentro da sociedade humana e montar um “Ciclo Genérico de Uso/Reuso da Água” que pudesse contemplar o seu uso urbano, industrial ou rural.

ciclo_uso_agua

Vamos comentar nos próximos posts as etapas desse ciclo, alguns desafios e oportunidades, e a importância da “Informação Aberta” para termos um “Olhar Aberto” sobre a Água. Até o próximo post…

Publicado em A organizar, Genéricos, Reflexões

I Webconferência do Grupo de Trabalho em Ciência Aberta

efd
Na próxima terça-feira, 27 de Maio 2014, à partir das 20 horas no horário de Brasília, ocorrerá a I Webconferência do Grupo de Trabalho em Ciência Aberta.

Para participar basta acessar o endereço: https://mconf.org/webconf/grupo-de-trabalho-em-ciencia-aberta-no-brasil

Uma vez na página de acesso, pode criar uma conta de acesso no serviço Mconf, ou alternativamente, você pode participar da webconferência sem criar uma conta. Para isso basta escolher seu nome, em seguida, escolha que tipo de dispositivo você usando: pode ser um computador com um navegador web que tenha os plugins do flash e do java habilitados (o java não se faz estritamente necessário. Eu uso sem.); ou um dispositivo android, com o app Mconf-Mobile instalado.
Você também pode usar um cliente SIP, por exemplo, o ekiga, para participar da webconferência. Maiores detalhes de como fazer isso no tutorial anexo, produzido pelo pessoal do serviço mconf.ufrgs.br.

Esse evento, que esperamos tornar permanente, será um momento onde os membros do Grupo de Trabalho (GT) e outros interessados no tema poderão expor seus interesses e propor trabalhos conjuntos.

Nessa primeira edição o tópico principal será o Seminário Internacional “Ciência Aberta, questões abertas”, à ocorrer de 18 a 22 de agosto de 2014, na cidade do Rio de Janeiro, Brasil.

Maiores informações sobre a webconferência encontram-se no pad webconferênciaMaio2014, onde você pode adicionar novos tópicos e deixar seus comentários.

Até Terça! :D
Publicado em Anúncios do grupo, webconferência

Ciência Aberta

Bem vindo ao blog do grupo de trabalho em Ciência Aberta!

Aqui compartilhamos ações de pesquisadores que estão optando por práticas científicas abertas, orientações para quem queira adotar essas práticas, e indicações para instituições apoiarem-as com infra-estrutura, reconhecimento e políticas. Para contribuir, escreva para blog@cienciaaberta.net

Outros canais: Licença Creative Commons
O conteúdo deste site, salvo indicação em contrário, está licenciado sob a licença Creative Commons Atribuição.

Siga via e-mail:

Feedburner Subscriber Count